Notícias da Rede

Abaixo-assinado contra a indicação da nova presidenta da Capes

Pela demissão da nova presidente da CAPES, Cláudia Mansani Queda de Toledo.

Na quinta-feira, 15 de abril, foi nomeada a Dra. Cláudia Mansani Queda de Toledo como nova presidente da CAPES. Uma de suas principais funções será implementar o novo sistema de avaliação da pós-graduação no Brasil. De acordo com o G1 (1), Cláudia coordena um programa de pós-graduação no Centro Universitário de Bauru, anteriormente Instituto Toledo de Ensino (ITE), que foi descredenciado em 2017 pela própria CAPES por qualidade insuficiente (NOTA 2). Segundo notícia da Folha de S. Paulo (2), o Instituto Toledo de Ensino (ITE) foi criado pela família de Cláudia e já em 2002 foi denunciado por desvio de recursos para membros da família, incluindo Cláudia (3).

A comunidade acadêmica brasileira, que se destaca por sua produção científica na América Latina e internacionalmente, não pode aceitar que a CAPES, órgão dedicado à promoção e manutenção da qualidade do ensino superior e da pesquisa no Brasil, seja presidida por uma profissional ligada a programas de baixíssima qualidade e instituições com suspeitas de irregularidades. O Brasil apresenta diversas universidades que se destacam nos rankings internacionais de avaliação, sendo 6º país mais representado no World University Rankings 2021 (4), e tendo 7 universidade no QS World University Ranking 2021, incluindo uma universidade entre as 200 melhores do mundo (5).

Exigimos a demissão imediata da Dra. Cláudia Mansani Queda de Toledo da presidência da CAPES e a entrada de um(a) presidente que represente a qualidade em pesquisa e ensino na edução superior brasileira e com experiência e qualidade técnica para liderar a avaliação da pós-graduação no Brasil.

FONTES:

(1) https://g1.globo.com/educacao/noticia/2021/04/16/nova-presidente-da-capes-coordena-curso-de-mestrado-que-tirou-nota-2-e-foi-descredenciado-pela-propria-capes-em-2017.ghtml?fbclid=IwAR1NRHHBaDo0HePYGlUfG7dCoZQryC6K-1cP8gxRMffVbbtrm8HG-W4cVB8

(2) https://www1.folha.uol.com.br/educacao/2021/04/governo-bolsonaro-nomeia-advogada-para-presidir-a-capes.shtml

(3) https://www1.folha.uol.com.br/fsp/brasil/fc2001200207.htm

(4) https://desafiosdaeducacao.grupoa.com.br/brasil-ranking-universidades-the/

(5) https://g1.globo.com/educacao/noticia/2020/06/10/usp-sobe-uma-posicao-e-fica-em-115a-em-ranking-internacional-na-america-latina-cai-para-a-3a-colocacao.ghtml

Assinar este abaixo-assinado: 

http://chng.it/rQxxXttJ

Brasileiro lutou pela Alemanha na Segunda Guerra – Viagem na História

 

Brasileiro nas tropas de Hitler! A Guerra é um evento excepcional, no sentido de envolver as pessoas em algo para o qual geralmente não estavam preparadas. É pontuada por eventos transformadores, sejam grandiosos, envolvendo milhões de pessoas, ou simples, alcançando histórias e tragédias pessoais. Ninguém passa por ela sem marcas. Nesse vídeo acompanhamos a história pessoal e verídica de um brasileiro, Ewald Rupp, que lutou a Segunda Guerra pela Alemanha e acompanhamos as marcas que pontuaram sua vida. Uma história incrível e real de um paulistano, alemão, gaúcho e brasileiro!

Nota: Afirmamos que esse canal repudia toda e qualquer apologia ao regime preconceituoso e autoritário nazi-fascista. O que trazemos aqui são registros de guerra e, dessa forma, da história.

#historiamilitar #brasilnaguerra #viagemnahistoria

França aprova lei para proteger e promover dialetos regionais

O parlamento francês aprovou hoje um projeto-lei apresentado pela oposição que visa proteger e promover os dialetos regionais reconhecidos em França, o que vai permitir, entre outros aspetos, atribuir subsídios a escolas privadas focadas nestas vertentes linguísticas.
França aprova lei para proteger e promover dialetos regionais

© Adnan Farzat/NurPhoto via Getty Images

O diploma, o primeiro deste género a ser adotado na República francesa, foi aprovado com 247 votos a favor e 76 contra na Assembleia Nacional (câmara baixa do parlamento).

A mesma versão do texto já tinha sido adotada pelo Senado (câmara alta) em dezembro passado, o que significa que o diploma foi hoje aprovado de forma definitiva.

O projeto-lei foi proposto pelo deputado Paul Molac, do grupo ‘Libertés et Territoires’ (que reúne representantes eleitos do centro-direita e centro-esquerda), e prevê dois importantes aspetos: a introdução do ensino imersivo (realizado durante uma grande parte do dia escolar num idioma que não a língua dominante) e a criação de um plano escolar (incluindo subvenções) para escolas privadas que lecionam em dialetos regionais.

Apesar da contestação do Governo e da força partidária maioritária ‘La République en Marche!’ (LREM), que argumentaram que o diploma colocava em perigo o ensino do francês e a sua extensão a todo o território, o texto foi aprovado, com surpresa, por vários deputados procedentes, sobretudo, da Bretanha (noroeste de França), da Occitânia (sul) e do País Basco francês.

Atualmente, cerca de 170 mil dos mais de 12 milhões de estudantes franceses têm aulas em um dos quatro dialetos regionais reconhecidos no país: bretão, occitano, basco e corso (ilha de Córsega).

A nova lei exige que nos territórios abrangidos por estas línguas regionais todos os alunos devem ser ensinados em conformidade com as mesmas.

08/04/21 POR LUSA

MUNDO FRANÇA

CPLP é “invisível” na imprensa brasileira: investigador defende que elite brasileira tenta apagar vínculo do Brasil com África

CADU GOMES/EFE

Os primeiros 20 anos da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) no Brasil foram invisibilizados pelos principais jornais do país, à imagem da elite brasileira “que sempre tentou apagar o vínculo com África”, disse à Lusa um investigador.

Sob o argumento de que a CPLP foi “apagada” dos noticiários brasileiros, o jornalista Cristian Góes desenvolveu a sua tese de doutoramento, que deu origem ao livro “A comunidade invisível: jornalismo, identidades e a rejeição dos povos de língua portuguesa no Brasil”, editado pela Ponte Editora, e cujo lançamento foi marcado para esta sexta-feira em Portugal e no Brasil.

Através de uma extensa análise jornalística, o autor encontrou relação entre o racismo na sociedade brasileira e a rejeição a vínculos com os países africanos.

Ao longo de quatro anos, Góes analisou ao pormenor todo o acervo de dois dos maiores jornais brasileiros impressos – Folha de S.Paulo e O Globo -, em busca de notícias ou referências sobre a CPLP, desde a sua criação, em 1996, até 2016, quando completou duas décadas da sua fundação.

Após mais de 7.000 edições analisadas, o investigador brasileiro concluiu que a CPLP, e os assuntos envolvendo a lusofonia, “simplesmente não estavam presentes nesses jornais”: “em 20 anos de CPLP, a Folha de S.Paulo publicou 80 e O Globo 81 pequenas notícias sobre a comunidade, o que dá uma média de cerca de quatro raros textos por ano nessas duas décadas”, frisou.

Na sua tese, Cristian Góes identificou que os jornais aplicaram duas formas de “apagamento”, sendo que a primeira foi a “invisibilidade por ausência”, que é quando existe um assunto, facto ou acontecimento, mas não é feita a sua divulgação propositadamente.

“Não é um lapso ou esquecimento, não é isso. Mesmo quando o Brasil comandou a secretaria executiva da CPLP, e as cimeiras foram realizadas em Brasília, com a presença de Presidentes da África lusófona e de Portugal, nem isso fez com que os dois jornais publicassem informações sobre esses factos”, indicou o jornalista, após concluir que “não foi escrita nenhuma linha” sobre o tema.

Continue lendo

Nasceu uma Biblioteca Pública do Médio Oriente em Arroios

Biblioteca, Biblioteca de São Lázaro, Livros

©Joana Freitas Biblioteca de São Lázaro

Árabe, persa, hebraico, turco e urdu. São estas as línguas dos livros da nova Biblioteca Pública do Médio Oriente, instalada na mais antiga biblioteca municipal de Lisboa.

Foi na bonita Biblioteca Municipal de São Lázaro que se instalou a primeira Biblioteca Pública do Médio Oriente, com livros escritos em árabe, persa, hebraico, turco e urdu. Além de encontrar “grandes vultos da cultura do Médio Oriente”, a biblioteca também disponibiliza traduções de autores portugueses para essas línguas.

Acolhido pela Junta de Freguesia de Arroios, o projecto tem por objectivo dar a conhecer a cultura dos países do Médio Oriente, além de promover a interculturalidade na cidade de Lisboa, especialmente no território de Arroios, a freguesia mais multicultural de Lisboa.

A Biblioteca Pública do Médio Oriente tem como parceiro o Instituto Camões e tem recebido diversas doações de entidades que representam países do Médio Oriente, como a Embaixada dos Emirados Árabes Unidos em Portugal. Todas as instituições, universidades e particulares que queiram participar também podem fazer as suas doações e enriquecer o catálogo da nova biblioteca.

Apesar de já estar aberta ao público desde 15 de Março, em Maio haverá uma inauguração oficial da biblioteca e nessa altura será apresentado um programa cultural, que irá incluir colóquios, conferências ou cursos de línguas e culinária do Médio Oriente.

Por Renata Lima Lobo 

 

Como 23 judeus expulsos de Recife ajudaram a fundar Nova York

Mapa do Brasil mostra capitanias em 1630

Mapa do Brasil mostra capitanias em 1630. CRÉDITO,BIBLIOTECA DO CONGRESSO DOS EUA

A bordo do navio Valk, cerca de 600 judeus deixaram Recife, em Pernambuco, expulsos pelos portugueses. Era o fim da ocupação holandesa no Brasil e também da liberdade de praticar sua religião.

Eles queriam voltar à terra natal — a Holanda, onde o culto do judaísmo era permitido devido ao calvinismo. De lá haviam chegado mais de duas décadas antes, quando os holandeses conquistaram parte do Nordeste brasileiro — de olho na produção e comércio do açúcar.

Mas uma tempestade desviou-os do caminho e o navio foi saqueado por piratas.

O grupo foi resgatado por uma fragata francesa e levado à Jamaica, então colônia espanhola, e acabou preso por causa da Inquisição espanhola.

Mas, graças à intervenção do governo holandês, foram libertados e, por motivos financeiros, parte deles seguiu para um destino mais próximo do que a Europa: a colônia holandesa de Nova Amsterdã, atual Nova York, então um mero entreposto comercial.

Ali formaram a primeira comunidade judaica da América do Norte e contribuíram para o desenvolvimento da cidade. Atualmente, Nova York é a segunda cidade com o maior número de judeus no mundo, atrás apenas de Tel Aviv, em Israel.

Vista de Mauritsstad (Recife) em 1645

Vista de Mauritsstad (Recife) em 1645. CRÉDITO,WIKICOMMONS

Mas essa história rocambolesca não começa em 1654, ano em que Portugal derrotou os holandeses e retomou o controle do Nordeste, provocando, por consequência, a expulsão dos judeus, temerosos com a Inquisição.

Cerco holandês a Olinda e ao Recife

Cerco holandês a Olinda e ao Recife. CRÉDITO,WIKICOMMONS

Imigração judaica

A imigração judaica ao Brasil remonta à época do descobrimento, com os chamados “cristãos novos”, judeus que foram obrigados a se converter ao cristianismo na Península Ibérica devido à perseguição pela Igreja Católica.

Na então maior colônia portuguesa, alguns deles abdicaram das práticas judaicas. Outros as mantinham às escondidas.

Capa do livro de Daniela Levy. CRÉDITO,DANIELA LEVY

Continue lendo

IPOL Pesquisa

Receba o Boletim

Facebook

Revista Platô

Visite nossos blogs

Clique na imagem

Clique na imagem

Visitantes

Arquivo