Tecnologias e Línguas

DIVERSIDADE DE EXPRESSÕES CULTURAIS NA ERA DIGITAL

 

Publicação de 2016 da USP e Universidade de Rouen trata o tema da diversidade das expressões culturais na era digital e visa organizar e articular as contribuições escritas e vídeos selecionados para serem explorados da melhor maneira possível para o progresso da reflexão sobre o tema.

Esta é uma das obras que dialoga com o Grupo de Reflexão da UNESCO sobre a Diversidade de Expressões Culturais no Ambiente Digital no qual o Prof. Gilvan M. de Oliveira, fundador do IPOL, ingressou agora em 2024.

 

 

Fruto da cooperação de Lilian Richieri Hanania  (CEST / Universidade de São Paulo (USP), Brasil) e Anne-Thida Norodom (ver minibiografia) (CUREJ / Universidade de Rouen, França), a obra “DIVERSIDADE DE EXPRESSÕES CULTURAIS NA ERA DIGITAL” visa contribuir para a compreensão do tema da diversidade das expressões culturais na era digital e para a reflexão sobre as medidas e políticas mais apropriadas para responder aos desafios e oportunidades relativos a esse tema.

Ela reúne estudos teóricos, documentos de opinião, estudos de casos e testemunhos de projetos e iniciativas práticas que, fundados em disciplinas diversas (direito, economia, ciências políticas e sociais, jornalismo, tecnologias da informação, engenharia)5, demostram como as novas tecnologias podem ser usadas para proteger e promover a diversidade das expressões culturais. Obra multidisciplinar trilíngue (francês, inglês e português), ela tem também como objetivo o de contribuir para a diversidade linguística online.

Centro de Estudos Sociedade e Tecnologia (CEST)

https://www.teseopress.com/diversidadedeexpressoesculturaisnaeradigital/front-matter/lista-de-parceiros/

e aqui os anexos…

https://www.teseopress.com/diversidadedeexpressoesculturaisnaeradigital/part/docs/


Saiba mais puxando a rede IPOL

. O que significa “diversidade de expressões culturais dentro do reino digital” Segundo Lilian Richieri Hanania ( http://www.cest.poli.usp.br/pt/interviews-lilian-richieri-hanania/lilian-2/)

 

A expressão “diversidade de expressões culturais”, conforme foi empregada na Convenção da UNESCO de 2005 sobre a Proteção e Promoção da Diversidade das Expressões Culturais (CDEC), refere-se a um aspecto específico da diversidade cultural: a diversidade de oferta de conteúdo cultural em todos os níveis da cadeia de valores artística (criação, produção, difusão, distribuição e acesso). Ela implica em permitir trocas ricas e equilibradas de bens e serviços culturais vindos de várias origens – não importando quais tecnologias foram usadas para fornecê-las – nos níveis local, nacional, regional e internacional. Alcançar a diversidade de expressões culturais no reino digital significa, portanto, que o conteúdo cultural digital criado, produzido, disponibilizado e efetivamente acessado pelos consumidores é culturalmente diverso.

 “Garantir a diversidade de expressões culturais, seja em um ambiente digital ou não, requer um engajamento ativo dos Estados e da sociedade civil.”

http://www.cest.poli.usp.br/wp-content/uploads/2016/02/CEST-Entrevista-com-Lilian-Richieri-Hanania-rev2-clean.pdf

Doutora Lilian Richieri Hanania é advogada e doutora em Direito Internacional pela Universidade Paris 1 – Panthéon-Sorbonne e pesquisadora do CEST. Na entrevista, ela aborda o contexto e a importância de promoção da diversidade das expressões culturais online.

A entrevista (somente em inglês) foi originalmente publicada em «Kulturelle Vielfalt Online. Im Spannungsfeld zwischen UNESCO, TTIP und Netzgiganten – Interview mit Lilian Richeri Hanania » (Cultural Diversity Online. Between UNESCO, TTIP and net giants – an interview with Lilian Richeri Hanania), in Österreichische UNESCO-Kommission, Jahrbuch 2015/Annual Report 2015, Agnes & Ketterl GmbH, Mauerbach/Vienna, ISBN: 978-3-902379-03-0.

 

. Assista também a entrevista gravada em junho de 2023: https://www.youtube.com/watch?v=oZag5NHtHL8

Entrevista com o Lilian Richieri Hanania, sobre cultura digital internacional, por Vera Queiroz


Outras publicações:

Diversidade Cultural. Políticas, Visibilidades Midiáticas e Redes – Coleção Cult.

 

É objetivo deste livro: reunir e difundir abordagens diversas sobre a questão da diversidade cultural, como fruto do trabalho de vários pesquisadores e seus grupos de pesquisa. Esta coletânea reúne 12 artigos acadêmicos de pesquisadores, a maioria brasileira, mas também da Espanha e dos Estados Unidos. Por meio das reflexões destes autores, que perpassam aspectos de mídia, audiovisual, redes, tecnologias, patrimônio e políticas públicas, obtemos um escopo da diversidade cultural em diversos âmbitos.

 

 

 

https://repositoriodev.ufba.br/bitstream/ri/18127/3/DiversidadeCulturalPol%C3%ADticasVisibilidadesMidiáticasRedes-Cult22-EDUFBA.pdf

 

UNESCO Convenção sobre a Proteção e a Promoção da Diversidade das Expressões Culturais, 2005

https://unesdoc.unesco.org/ark:/48223/pf0000150224

 

Iphan e Enap oferecem certificação gratuita e online em Educação Patrimonial

.
.
Publicado em 18/01/2024 / IPHAN
São 90 horas de aulas votadas para profissionais da educação, cultura, turismo. mas o público em geral também pode participar
Foto: Divulgação

Quem se interessa por Educação Patrimonial tem agora a oportunidade de aprofundar os conhecimentos sobre o tema.  O Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), em parceria com a Secretaria de Educação do Distrito Federal (SEEDF), oferece nove cursos online sobre o tema. As inscrições podem ser feitas a qualquer momento, no site da Escola Virtual de Governo, da Enap. O conteúdo do curso é voltado para profissionais da educação, da cultura e do turismo, mas o público em geral também pode se inscrever. Quem concluir as 90 horas desses treinamentos receberá também uma certificação em Educação Patrimonial.  

“Em vários momentos do curso, usamos o Patrimônio Cultural do Distrito Federal como exemplo, mas o conteúdo pode ser bastante aproveitado por profissionais que atuam em todo o território nacional”, explica Ana Carolina Dantas, analista de patrimônio cultural da Superintendência do Iphan no Distrito Federal, que integra a equipe de elaboração do curso.  

A parceria entre o Iphan e a SEEDF teve sua primeira edição em 2021, com a abertura do curso “Educação Patrimonial, Diversidade e Meio Ambiente no Distrito Federal”. A partir daí, outros temas foram agregados à programação, com a participação de 20 profissionais de diversas instituições que trabalham com temas disponibilizados no material, como o Instituto Brasileiro de Museus (Ibram) e a Universidade de Brasília (UnB). O escopo do curso inclui tópicos como Turismo Cultural, Inventários Participativos, Educação Museal, Arte, Meio Ambiente e Diversidade, e culminou na construção de uma certificação mais ampla sobre o tema.   

“Muitos professores que fazem nossos cursos já são familiarizados com o Patrimônio Cultural e abordam esta temática em sala de aula, mas a capacitação oferece outras formas de abordá-la dentro do contexto dos alunos”, completa o antropólogo do Iphan-DF, Vinícius Prado.  

O objetivo do curso é difundir os conhecimentos e práticas de Educação Patrimonial no intuito de incentivar a preservação dos bens culturais do Distrito Federal, conforme consta no Termo de Cooperação assinado entre o Iphan e a SEEDF em 2020.  Mas o conteúdo foi construído de forma que pode ser aplicado à realidade de qualquer outro estado brasileiro, o que permitiu expandir ainda mais o público-alvo da iniciativa.  

Os interessados podem se inscrever clicando neste link. 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Leia diretamente na página .gov:

https://www.gov.br/iphan/pt-br/assuntos/noticias/iphan-e-enap-oferecem-certificacao-gratuita-e-online-em-educacao-patrimonial

O acadêmico brasileiro Gilvan Muller de Oliveira foi selecionado para compor o seleto Grupo de Reflexão da UNESCO sobre a Diversidade de Expressões Culturais no Ambiente Digital.

O acadêmico brasileiro Gilvan Muller de Oliveira foi selecionado para compor o seleto Grupo de Reflexão da UNESCO sobre a Diversidade de Expressões Culturais no Ambiente Digital.

A criação desse Grupo de Reflexão decorre de uma solicitação feita em junho de 2023 pela Conferência das Partes da Convenção de 2005 em sua nona sessão, que reconheceu a urgência e a necessidade de realizar uma reflexão aprofundada sobre a implementação da Convenção no ambiente digital.

Uma maior diversidade cultural no ambiente digital está diretamente relacionada ao aprimoramento de tecnologias e modos de governança que fortaleçam o multilinguismo no cyber-espaço. É justamente essa relação entre língua, cultura e tecnologia que deverá orientar as discussões do Grupo de Trabalho da UNESCO.

Gilvan Muller de Oliveira é Professor Associado da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), mestre em Linguística Teórica, Filosofia e História pela Universidade de Konstanz, na Alemanha e doutor em Linguística pela UNICAMP. Fundou e coordenou o IPOL – Instituto de Investigação e Desenvolvimento em Política Linguística entre 2002 e 2010), foi Diretor Executivo do Instituto Internacional da Língua Portuguesa (IILP) da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa, em Cabo Verde, de 2010 a 2014, e hoje coordena a Cátedra UNESCO em Políticas Linguísticas para o Multilinguismo que integra 31 universidades em 17 países, dedicada à pesquisa de diferentes facetas do multilinguismo, incluindo as políticas linguísticas para a ciência e a educação superior.

 

Link: https://www.instagram.com/p/C175fBmsn_G/?igsh=MWsxYmZlcXk0N3RtYg==

 

 

Linklado: app de línguas indígenas na final do Prêmio Jabuti

LINKLADO

 .
.
.
.
Aplicativo desenvolvido em parceria de pesquisadores do INPA e estudantes da rede pública ficou
entre os 10 finalistas.
(postado em 24 de dezembro de 2023)

O teclado de línguas indígenas – Linklado – ficou entre os 10 semifinalistas do 65º Prêmio Jabuti na categoria de ‘Fomento à Leitura’. O teclado foi desenvolvido em parceria com as pesquisadoras Noemia Ishikawa e Ana Carla Bruno do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa/MCTI) e os estudantes Samuel Minev Benzecry e Juliano Portela.

A iniciativa surgiu como uma resposta às dificuldades enfrentadas na escrita das línguas indígenas em plataformas digitais. O problema foi levantado pelas pesquisadoras Noemia e Ana Carla, em 2009, durante um trabalho com os povos Tikuna (Maguta) no Alto Rio Solimões e a solução veio por meio dos jovens Samuel e Juliano, na época, estudantes do ensino médio.

Ana Carla Bruno, frisa a importância do aplicativo. “Parece uma coisa irrelevante, não é? Imaginem ter seus nomes escritos, registrados em documentos oficiais, escrever mensagem através de Whatsapp, histórias, livros didáticos com grafemas ou letras que não representam de fato os sons (fonemas) de suas línguas?”, pontua.

No Brasil, além do português, são faladas entre 160-180 línguas indígenas, além das variantes ou dialetos destas línguas, algumas estão em plena vitalidade, muitas em situação de risco, outras adormecidas e algumas em processo de retomada. Isso sem falar das línguas indígenas de sinais. Muitas destas línguas com tradição oral podem ter sons que não existem na língua portuguesa, que não são representados graficamente nos teclados dos computadores ou dos celulares.

Bruno ressalta ainda que a escrita envolve questões relacionadas à autoestima e poder. “Por muito tempo, a escrita foi um instrumento de poder nas mãos dos não indígenas, hoje a escrita pode ser um instrumento de poder nas mãos dos próprios indígenas. É muito importante que estas línguas continuem sendo utilizadas de forma oral pelas crianças, jovens e adultos nas aldeias, nas cidades, nas comunidades, na universidade.

E que os próprios indígenas decidam o que querem escrever nas suas línguas. A possibilidade de escrever na língua materna é uma das maneiras de mantê-las em uso, sobretudo entre os jovens”, comemora.

Processo de criação 

O processo de construção do aplicativo começou em fevereiro de 2022, houve um período de teste e ajustes com a participação de indígenas de várias etnias. Cristina Quirino Mariano, bolsista do Projeto Redes de mulheres indígenas, tradutoras e cientistas: conexões para uma educação transformadora em ciências do Amazonas pelo Programa Amazônidas – Mulheres e Meninas na Ciência da Fundação de Amparo à Pesquisa (Fapeam),  participou dos testes e adaptações e dominou o uso de Linklado, e se tornou uma das tradutoras para a língua Tikuna.

Quirino diz que o Linklado facilitou a conversa com os seus parentes. “Quando eu escrevia em português, meus parentes não entendiam direito. Então eu mandava mensagens só no áudio, na minha língua. Agora com o Linklado eu consigo escrever com todas as letras e eles entendem bem. E falei para eles baixarem o Linklado também. Agora a gente escreve tudo na nossa língua e a conversa ficou melhor”, frisa.

O aplicativo foi lançado no dia 11 de agosto de 2022, na Banca do Largo, com o apoio do livreiro Joaquim Melo (In Memorian). E como resultado, a equipe já produziu o livro “Embaúba: uma árvore de muitas vidas”, na língua Magütawa (Tikuna), além das línguas portuguesa, japonesa e inglesa, com mil exemplares, impresso como apoio do projeto Museu na Floresta, coordenado pela pesquisadora do Inpa Rita Mesquita. A obra tem como autores Noemia Kazue Ishikawa, Takahazu Yumoto e William E. Magnusson.

Ishikawa passou 14 anos buscando uma solução para facilitar digitalizar os textos em línguas indígenas para a elaboração de livros. A pesquisadora conta que muitas pessoas não entendiam qual era o problema que ela sentia. “Quando os meninos criaram o Linklado (ambos com 17 anos na época), conversei com as respectivas mães para explicar a grandeza do feito dos filhos, mas elas não tinham dimensão. Acredito que agora elas e todos tenham a dimensão da importância do Linklado. Ter um trabalho reconhecido pelo prêmio Jabuti é muito importante para todos os envolvidos. Desde que foi criado a categoria Fomento a leitura do eixo inovação, achei que o projeto se enquadra perfeitamente nessa categoria”, celebra.

Ana Carla diz que o aplicativo pode ser uma contribuição para a Década de Línguas Indígenas “Estamos muito felizes, e eu particularmente, pois estamos vivenciando a Década das Línguas Indígenas no mundo que vai de 2022 a 2032. Ação e movimento declarado pela Unesco com participação de vários povos indígenas do mundo e tem como lema “Nada para nós sem nós!” E no Brasil várias mulheres indígenas estão encabeçando o movimento”, destaca.

Juliano Portela, um dos criadores do aplicativo, diz que para os povos originários, o Linklado representa um avanço significativo na preservação de suas línguas. “O projeto facilita a escrita e a comunicação em suas línguas nativas, especialmente no ambiente digital. Com a repercussão do Prêmio Jabuti, esperamos aumentar ainda mais a conscientização sobre a importância delas e, por consequência, fortalecer a identidade cultural dos povos indígenas”, enfatiza.

“Participar de um projeto como o Linklado me afetou muito no sentido de manter minha esperança sobre o futuro da presença indígena milenar na Amazônia e através do continente Americano. O esforço de manter línguas em risco vivas, afinal, é o primeiro passo para aplicar conhecimentos ancestrais e garantir a convivência de humanos e não-humanos no Antropoceno” declara Samuel Minev Benzecry.

Noemia descreve, ainda, a satisfação em ver ideias inovadoras partindo de uma geração mais nova. “O normal é buscar soluções com os mais velhos, nos mais estudados, na academia,  na ciência. Mas a nossa história com o Linklado mostra que a solução pode vir de qualquer lugar, idade, nível de escolaridade, etc. O importante é dialogar entre todos, falar com os jovens, ser ouvido por eles e, principalmente, ouvir o que eles têm para falar”, frisa.

Linklado

O aplicativo surgiu da necessidade de incluir línguas indígenas no ambiente digital, que enfrentam o desafio de serem excluídas da revolução digital devido à ausência de caracteres especiais como ʉ, ɨ, g̃, ʉ̈̃ e i̇̂ nos teclados virtuais e físicos. Essa exclusão não apenas restringia a comunicação diária dos falantes desses idiomas, mas também impactava diretamente o avanço acadêmico. Estudantes indígenas encontravam dificuldades ao redigir suas monografias, dissertações e teses em suas línguas maternas, enquanto escritores enfrentavam barreiras para publicar suas obras nessas línguas.

Essa lacuna tecnológica motivou a criação do aplicativo “Linklado”, um teclado digital que reúne não só os caracteres especiais, mas também combinações de diacríticos necessários para mais de 40 línguas indígenas. Esse avanço proporciona uma solução para a comunicação cotidiana e abre portas para o desenvolvimento acadêmico e a expressão cultural.

O aplicativo Linklado é gratuito e está disponível para dispositivos Android, iOS e Windows. Essa acessibilidade representa um passo crucial para facilitar o acesso ao aplicativo e ampliar seu alcance entre os falantes das línguas indígenas. Esse esforço alinha-se com a visão de utilizar a tecnologia como uma ferramenta capacitadora e preservadora de culturas. O Linklado é um exemplo prático de como a tecnologia pode ser empregada para fortalecer e salvar/guardar as riquezas culturais por meio da inclusão digital.

Leia diretamente na fonte: https://realtime1.com.br/linklado-app-de-linguas-indigenas-na-final-do-premio-jabuti/


Saiba mais puxando a rede IPOL:

Projeto de estudantes brasileiros concorre a prêmio Jabuti por tecnologia de inclusão de línguas indígenas

Um grupo de estudantes desenvolveram o ‘Linklado’, um teclado digital para línguas indígenas e são agora finalistas no Prêmio Jabuti. O projeto visa preservar a rica diversidade linguística da Amazônia na era digital

Na categoria de Fomento à Leitura, o “Linklado: teclado digital para línguas indígenas”figura entre os dez finalistas da 65ª edição do Prêmio Jabuti. O anúncio dos cinco finalistas ocorrerá no dia 21 deste mês, às 12h (horário de Brasília). Informações atualizadas são disponibilizadas no site oficial da premiação (https://www.premiojabuti.com.br/). A cerimônia de premiação, revelando os ganhadores das 21 categorias divididas em Literatura, Não Ficção, Produção Editorial e Inovação, juntamente com o Livro do Ano, acontecerá no Theatro Municipal de São Paulo, em 5 de dezembro.

Muitas línguas indígenas amazônicas não foram incorporadas na era digital devido à presença de caracteres únicos como ʉ, ɨ, ñ, ç̀, g̃ e a combinação de diversos diacríticos (`,´, ~, ^, ¨), ausentes na maioria dos teclados. Essa limitação obriga os indígenas a se comunicarem através de áudios ou substituir esses caracteres, pondo em risco a sobrevivência dessas línguas.

Siga lendo a matéria no link abaixo:

 

Projeto de estudantes brasileiros concorre a prêmio Jabuti por tecnologia de inclusão de línguas indígenas

 

. Linklado: teclado digital para mais de 40 línguas indígenas é semifinalista do 65º Prêmio Jabuti

O projeto é sobre o desenvolvimento de um aplicativo que reúne caracteres especiais e combinações de diacríticos para mais de 40 línguas indígenas. Realizado anualmente pela Câmara Brasileira do Livro (CBL), o Prêmio Jabuti é o mais importante do mercado editorial brasileiro. Em sua 65ª edição, a premiação tem entre seus semifinalistas a obra ‘Linklado: teclado digital para línguas indígenas‘, fruto de uma parceria entre as cientistas do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (INPA), Noemia Kazue Ishikawa, Ana Carla Bruno e Ruby Vargas-Isla, com dois jovens estudantes amazonenses: Samuel Minev Benzecry e Juliano Dantas Portela. O aplicativo está disponível gratuitamente para Android e iOS.

Siga a leitura por aqui: https://portalamazonia.com/noticias/educacao/linklado-teclado-digital-para-linguas-indigenas-e-semifinalista-do-65-premio-jabuti

Teclado digital traz caracteres de mais de 40 línguas indígenas

Conheça o Linklado, criado por jovens pesquisadoras para preservar a língua e a cultura indígena. Pensando em meios de preservar a língua e a cultura indígena, jovens pesquisadores criaram um teclado digital batizado de Linklado, com caracteres que formam o vocabulário de mais de 40 línguas indígenas da Amazônia.

Leia aqui: https://radios.ebc.com.br/nacional-jovem/2022/12/teclado-digital-traz-caracteres-de-mais-de-40-linguas-indigenas

Aplicativo Linklado desenvolvido em Manaus fica entre os 10 semifinalistas do 65º Prêmio Jabuti

O teclado de línguas indígenas – Linklado – ficou entre os 10 semifinalistas do 65º Prêmio Jabuti na categoria de ‘Fomento à Leitura’. O teclado foi desenvolvido em parceria com as pesquisadoras Noemia Ishikawa e Ana Carla Bruno do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa/MCTI) e os estudantes Samuel Minev Benzecry e Juliano Portela. Para saber mais o teclado acesse o site https://www.linklado.com/

A iniciativa surgiu como uma resposta às dificuldades enfrentadas na escrita das línguas indígenas em plataformas digitais. O problema foi levantado pelas pesquisadoras Noemia e Ana Carla, em 2009, durante um trabalho com os povos Tikuna (Maguta) no Alto Rio Solimões e a solução veio por meio dos jovens Samuel e Juliano, na época, estudantes do ensino médio.

Ana Carla Bruno, frisa a importância do aplicativo. “Parece uma coisa irrelevante, não é? Imaginem ter seus nomes escritos, registrados em documentos oficiais, escrever mensagem através de Whatsapp, histórias, livros didáticos com grafemas ou letras que não representam de fato os sons (fonemas) de suas línguas?”, pontua.

Siga por aqui: https://www.gov.br/inpa/pt-br/assuntos/noticias/aplicativo-linklado-desenvolvido-em-manaus-fica-entre-os-10-semifinalistas-do-65o-premio-jabuti

Professora cria o aplicativo “Linklado”, que atende às necessidades gramaticais de mais de 40 línguas indígenas.

Professora cria o aplicativo “Linklado”, que atende às necessidades gramaticais de mais de 40 línguas indígenas. Variadas formas de escrita em línguas indígenas combinam diacríticos (uso de sinais gráficos como `,´, ~, ^ ou ¨) e utilizam caracteres especiais, como ʉ, ɨ, ñ, ç̀, g̃, que não estão presentes em teclados tradicionais.

Para facilitar processos de comunicação em línguas indígenas utilizando celulares com sistema Android ou computadores com sistema Windows, pesquisadores lançaram o aplicativo “Linklado”, que atende às necessidades gramaticais de mais de 40 línguas indígenas.

Idealizado por Samuel Benzecry (estudante da Universidade de Stanford, EUA) e Juliano Portela (estudante do ensino médio em Manaus), o “Linklado” nasce da necessidade de preservação das línguas indígenas faladas na Amazônia.

Siga a leitura por aqui: https://redeglobo.globo.com/redeamazonica/noticia/professora-cria-o-aplicativo-linklado-que-atende-as-necessidades-gramaticais-de-mais-de-40-linguas-indigenas.ghtml

 . Aplicativo ‘Linklado’ facilita a comunicação em línguas indígenas

Teclado digital reúne caracteres utilizados por mais de 40 línguas indígenas da Amazônia e outros lugares na América do Sul

https://lunetas.com.br/linklado-teclado-indigena/


. Acesse o aplicativo aqui: https://www.linklado.com

Especial Línguas indígenas no Brasil – BBC

Quantas são as línguas indígenas do Brasil, onde são faladas e o que as ameaça? (1º parte)

O território brasileiro abriga hoje apenas 20% das estimadas 1.175 línguas que tinha em 1500, quando chegaram os europeus. E, ao contrário de outros países da região, como Peru, Colômbia, Bolívia, Paraguai e até Argentina, o Brasil não reconhece como oficiais nenhuma de suas línguas indígenas em âmbito nacional.

O Censo 2010 contabilizou 274 línguas indígenas atualmente no Brasil (os números do Censo 2022 ainda não foram divulgados). Mas linguistas ligados às principais instituições do país, como o Museu Emílio Goeldi, no Pará, e o Museu do Índio, no Rio de Janeiro, falam em 160 a 180. Se considerarmos dialetos — variações de uma mesma língua que podem ser compreendidas mutuamente — chega-se a 218.

Por que ainda não sabemos exatamente o número de línguas faladas pelos povos nativos brasileiros?

A resposta é mais simples – e também mais complicada – do que parece. O problema está em como a pergunta é feita, ou melhor, em que critérios são considerados na hora de definir o que é uma língua e nomeá-la. (Siga o link na imagem abaixo)

1º parte – faça o clic na imagem para acessar a matéria na fonte

O som de 10 línguas indígenas brasileiras em perigo de extinção (2º parte)

O território brasileiro abriga hoje apenas 20% das estimadas 1.175 línguas que tinha em 1500, quando chegaram os europeus. E, ao contrário de outros países da região, como Peru, Colômbia, Bolívia, Paraguai e até Argentina, o Brasil não reconhece como oficiais nenhuma de suas línguas indígenas em âmbito nacional.

Ainda assim, o Brasil é considerado um dos 10 países com o maior número de línguas no mundo e um dos que possuem maior diversidade linguística – ou seja, grande quantidade de famílias diferentes e de línguas isoladas.

Para dar uma ideia da diversidade linguística e cultural do país, a BBC News Brasil fez uma seleção com a ajuda de especialistas indígenas e não indígenas.

O resultado é este especial, no qual mostramos 10 das línguas indígenas faladas hoje no Brasil, de diferentes famílias e em distintas situações de preservação. (Siga o link na imagem abaixo)

 

2º parte – faça o clic na imagem para acessar a matéria na fonte

 


Saiba mais puxando a rede IPOL

Nhe’ẽ Porã: Memória e Transformação

Nhe’ẽ Porã: Memória e Transformação  propondo ao público uma imersão em uma floresta cujas árvores representam dezenas de famílias linguísticas às quais pertencem as línguas faladas hoje pelos povos indígenas no Brasil – cada uma veicula formas diversas de expressar e compreender a existência humana. A exposição mostrou também outros pontos de vista sobre os territórios materiais e imateriais, histórias, memórias e identidades desses povos, trazendo à tona suas trajetórias de luta e resistência, assim como os cantos e encantos de suas culturas milenares.

. Site do Museu: https://www.museudalinguaportuguesa.org.br/memoria/exposicoes-temporarias/nhee-pora-memoria-e-transformacao/

. Faça aqui uma visita virtual: https://nheepora.mlp.org.br

. Assista uma entrevista https://www.youtube.com/watch?v=VV7m3e8aVSE

.

 

Atenção, ouvintes! Está no ar a Rádio Online Wayuri

Comunicadores indígenas e parceiros inauguram rádio web em São Gabriel da Cachoeira (AM) e ampliam alcance das vozes dos 23 povos do Rio Negro

Por Ana Amélia Hamdan – Jornalista do ISA. Sexta-feira, 8 de Dezembro de 2023
Juliana Albuquerque, povo Baré, nos preparativos para a primeira transmissão ao vivo
Juliana Albuquerque, povo Baré, nos preparativos para a primeira transmissão ao vivo 📷 Ana Amélia Hamdan|ISA

Fios, microfones, mesa de som, computador, celular, correria, ajustes no som! Após muito trabalho e sonho, a Rádio Online Wayuri – A voz dos 23 Povos Indígenas do Rio Negro foi inaugurada em São Gabriel da Cachoeira (AM). Essa é a primeira rádio web da região, que inclui também os municípios de Santa Isabel do Rio Negro e Barcelos .

A primeira transmissão oficial foi feita pela comunicadora Juliana Albuquerque, do povo Baré, e pelo comunicador José Paulo, Piratapuya, durante o evento de lançamento, na sede da Rede Wayuri, em 24 de novembro.

E o retorno das comunidades já vem chegando: os comunicadores estão recebendo recados de ouvintes desde Iauaretê, no Alto Rio Uaupés, até Campinas (SP), onde estudantes indígenas cursam a universidade.

O projeto é da Rede Wayuri, em parceria com o projeto Escolas de Redes Comunitárias da Amazônia do Projeto Saúde e Alegria e apoio da Diálogo Brasil, Federação das Organizações Indígenas do Rio Negro (Foirn) e Instituto Socioambiental (ISA).

A rádio online reforça a vocação da Rede Wayuri, que desde sua criação vem trabalhando com boletins de áudio. Atualmente, o principal produto do coletivo de comunicação é o podcast Wayuri.

O grupo também produz o Papo da Maloca, que vai ao ar às quartas-feiras, das 10h às 12h, na FM O Dia, em São Gabriel da Cachoeira.

Com a inauguração da rádio online, o trabalho inovador da Rede Wayuri – referência na comunicação de indígena para indígena – terá maior alcance, chegando a mais pessoas dentro do território indígena do Rio Negro e em regiões para além da Amazônia.

Em outubro, os comunicadores participaram de uma oficina com o técnico Márcio Santos, sobre a montagem dos equipamentos e práticas para a rádio web.

Durante a inauguração, a comunicadora indígena Cláudia Ferraz, do povo Wanano, que faz parte da Wayuri desde a criação da rede, trouxe um panorama dos trabalhos do coletivo de comunicação. Ela comemorou a conquista, que acontece quando a rede de comunicadores do Alto Rio Negro está completando seis anos.

Pesquisadora da Escola de Redes, Adriane Gama viajou do Pará até São Gabriel da Cachoeira e participou da inauguração. “Aqui em São Gabriel a gente percebe esse ativismo, esse engajamento desses jovens, como eles conseguem avançar com esses sonhos. Que eles possam seguir com autonomia, sustentabilidade e que possam garantir e fortalecer a comunicação comunitária indígena na região”, disse.

A entrada em atividade da Wayuri Online coincide com a expansão da conectividade no território indígena do Rio Negro, com a instalação pela Foirn de antenas da Starlink nas comunidades. Os programas levarão adiante informação de qualidade e confiável, de interesse dos povos indígenas. Além disso, poderão ser transmitidos nas línguas da região.

Confira vídeo do lançamento produzido pelos comunicadores indígenas:

Grade de programação

Na grade de programação da Wayuri Online, já há três programas, sempre das 10h às 12h. Às terças-feiras, o comunicador José Paulo apresenta o Alô, Parente, com informações da sede São Gabriel da Cachoeira e também das comunidades, fornecidas pelos comunicadores que estão nos territórios indígena.

“O Alô, Parente vai abordar notícias locais de São Gabriel da Cachoeira, Santa Isabel do Rio Negro e Barcelos, buscando informações em organizações como Foirn, Funai, instituições públicas. As pessoas que escutarem o programa poderão se informar sobre vários assuntos. Também vamos conversar com os mais velhos para contar histórias sobre a cultura indígena. A Wayuri online vem para melhorar o diálogo entre as instituições e os indígenas da cidade e das comunidades. E vem também para dar voz às pessoas que conhecem a cultura dos povos do rio Negro”, explica o indígena José Paulo, do povo Piratapuya, que está à frente do Alô, Parente!

O Papo da Maloca será retransmitido às quartas-feiras, a partir do ano que vem. Na quinta-feira, Juliana Albuquerque traz para os ouvintes o programa Kacuri Online!

O comunicador e designer Ray Baniwa, que também está na Rede Wayuri desde o início, esteve presente no lançamento. Logo em seguida ele viajou para participar da COP 28 e já está em Dubai. De lá enviará informes de áudio que serão veiculados no Papo da Maloca e na Wayuri Online. Outras novidades virão em 2024!

Inauguração
Lançamento da Rádio Online Wayuri reuniu comunicadores e parceiros
Lançamento da Rádio Online Wayuri reuniu comunicadores e parceiros 📷 Ana Amélia Hamdan/SA

A liderança indígena Luiz Laureano, do povo Baniwa, que acompanha os trabalhos da Rede Wayuri, fez um benzimento tradicional.

Bispo de São Gabriel da Cachoeira, Dom Edson Damian esteve na inauguração da rádio e trouxe uma reflexão sobre a importância da comunicação indígena.

“Wayuri quer dizer mutirão. É o trabalho feito em mutirão. E é uma característica dos povos dessa região, pela tradição dos casamentos interétnicos, que todos sejam parentes, próximos uns dos outros. Essa rádio traz essa característica da convivência pacífica entre os povos”, disse.

Coordenadora-adjunta do Programa Rio Negro (PRN) do ISA no Amazonas, Natalia Pimenta lembrou em sua fala que a Rede Wayuri vem promovendo diálogos importantes, ouvindo e reunindo diversos segmentos. Também esteve presente o diretor-presidente da Foirn, Marivelton Barroso, povo Baré.

A diretora da Foirn, Janete Alves, do povo Desana, que acompanha a Wayuri desde a sua criação, falou da importância do coletivo, que leva informação ao território e aos indígenas que vivem nas áreas urbanas na região do Médio e Alto Rio Negro.

“Fico emocionada de ver a Rede crescendo mais e mais. De uma bem menorzinha, que fazia áudios mensais, ela vai avançado. E agora temos a oportunidade de ter essa rádio web. Muitas vezes não chega informação nas comunidades. Vamos abraçar essa causa de fortalecer os comunicadores indígenas, que podem levar informações confiáveis e combater as fake news”, disse Janete.

Também participaram da inauguração a coordenadora do Departamento de Mulheres Indígenas do Rio Negro (DMIRN-FOIRN), Cleocimara Reis; o coordenador do Departamento de Adolescentes e Jovens Indígenas do Rio Negro (DAJIRN-FOIRN), Elson Kene, povo Baniwa; a coordenadora do Departamento de Comunicação (Decom-FOIRN), Gicely Ambrósio, povo Baré; o comunicador José Baltazar, povo Baré; o coordenador do projeto de turismo Serras Guerreiras, Marcos Baltazar, povo Baré.

Leia diretamente na fonte: https://www.socioambiental.org/noticias-socioambientais/atencao-ouvintes-esta-no-ar-radio-online-wayuri

Saiba mais puxando a REDE IPOL:

Rede Wayuri inaugura Web Rádio no Alto Rio Negro, Amazonas: “Foi através desse projeto que a gente colocou nosso sonho em prática”

https://saudeealegria.org.br/redemocoronga/radio-web-wayuri/

Em passagem por SP, Rede Wayuri visita universidades e a Terra Indígena Tenondé Porã

Integrantes da Rede Wayuri de Comunicadores Indígenas do Rio Negro viajaram de São Gabriel da Cachoeira (AM), uma das cidades mais indígenas do Brasil, para uma das maiores aglomerações urbanas do mundo, São Paulo. Com uma intensa agenda em outubro, eles viveram experiências marcantes e puderam trocar conhecimentos e estreitar laços com parentes de longe.

A Rede Wayuri é um coletivo de mídia popular formado por mais de 40 comunicadores de, pelo menos, 15 povos diferentes. Vinculada à Federação das Organizações Indígenas do Rio Negro (Foirn) e com a parceria do Instituto Socioambiental (ISA), a Rede tem como um dos principais objetivos levar informações para as 750 comunidades indígenas e, assim, defender os direitos territoriais e culturais dos 23 povos da região.

https://www.socioambiental.org/noticias-socioambientais/em-passagem-por-sp-rede-wayuri-visita-universidades-e-terra-indigena

 

. Siga Rede de Comunicação Indígena da Amazônia! rede.wayuri  e linktr.ee/redewayuri

Últimas notícias da Rede Wayuri https://redewayuri.org.br

IPOL Pesquisa

Receba o Boletim

Facebook

Revista Platô

Revistas – SIPLE

Revista Njinga & Sepé

REVISTA NJINGA & SEPÉ

Visite nossos blogs

Forlibi

Forlibi - Fórum Permanente das Línguas Brasileiras de Imigração

Forlibi – Fórum Permanente das Línguas Brasileiras de Imigração

GELF

I Seminário de Gestão em Educação Linguística da Fronteira do MERCOSUL

I Seminário de Gestão em Educação Linguística da Fronteira do MERCOSUL

Clique na imagem

Arquivo

Visitantes