América Latina

GT Políticas Linguísticas e Educação: migrações, fronteiras e deslocamento

Participe!

O GT: Políticas Linguísticas e educação: migrações, fronteiras e deslocamentos contempla:
            1) relação entre migração, refúgio e políticas linguísticas;
           2) relação entre cidadania e línguas;
           3) direitos humanos e direitos linguísticos;
           4) planejamento linguístico e educação: ensino de línguas no contexto escolar (imigrantes, sobretudo refugiados);
           5) relação entre políticas linguísticas e reformas curriculares
           6) políticas linguísticas e contexto de internacionalização das universidades;
           7) ensino de línguas nas regiões de fronteiras;
          8) políticas afirmativas e ensino bilíngue.
Ficaríamos muito felizes em receber vocês! Seguem as instruções para participação:

Prazo para inscrição até 18 de fevereiro de 2020!

Regras para submissão:
Cada trabalho poderá conter até três (03) autores(as);
Serão aceitos trabalhos submetidos por profissionais da educação básica, estudantes de pós-graduação, mestres(as) e doutores(as);
O profissional da educação básica deve ser estudante de pós-graduação ou possuir a titulação mínima de especialista;
Será aceita a submissão de até dois (02) trabalhos (autoria e/ou coautoria);
Os resumos serão obrigatoriamente enviados via Área do Inscrito (não há template), no período de 18 de novembro de 2019 a 18 de fevereiro de 2020, e deverão conter:
a) Título (máx. 200 caracteres com espaços);
b) O uso de títulos, integralmente, em caixa alta não é permitido;
c) Texto (mín. 1.000 e máx. 1.500 caracteres com espaços);
d) O corpo do resumo não poderá conter citações (diretas e indiretas), referências
bibliográficas ou notas de rodapé;
e) Palavras-chave separadas por ponto e vírgula (mín. 3 e máx. 5);
f) Fonte financiadora (quando houver).

Acesse o link na página do evento!

Declaran Década Internacional de las Lenguas Indígenas

Juan Ramón de la Fuente, embajador de México efectuó el anuncio. La actriz indígena Yalitza Aparicio participó del anuncio.

Servindi, 19 de diciembre, 2019.- Una muy buena noticia. La  Asamblea General de la Organización de las Naciones Unidas (ONU) adoptó por unanimidad la resolución que proclama la “Década Internacional de las Lenguas Indígenas” para el período entre 2022 y 2032.

La decision se tomó el miércoles 18 de diciembre, después de la reunión de Alto Nivel en la que se dio por clausurado el Año Internacional de las Lenguas Indígenas. Continue lendo

Ponte Cultural Amapá-Guiana Francesa reuniu artistas da Amazônia na cidade de Caiena

Um encontro de identidade regional e ritmos que carregam a nossa ancestralidade africana aconteceu no mês de agosto, em Caiena, entrelaçando mais ainda a linguagem cultural que une o Brasil a essa porção da Europa na América do Sul. O projeto “Ponte Cultural Amapá – Guiana Francesa” reuniu os brasileiros Patrícia Bastos, Nilson Chaves, Enrico Di Miceli e Dante Ozzetti, e a flautista guianense Michaëlle Ngo Yamb Ngan no palco do Complexo Eldorado, no último sábado, 3, em uma exaltação da música da região amazônica. Continue lendo

Lenguas originarias de Perú: Todo lo que debes saber

Ver imagen en TwitterEste 27 de mayo se conmemora el Día de las lenguas originarias en Perú. ¿Qué son? ¿Cuántas hay?

Desde 1975, que cada 27 de mayoPerú celebra el Día de las Lenguas Originarias con el objetivo de fomentar su uso, su prevención, su desarrollo y, sobre todo, su recuperación y difusión en calidad de patrimonio cultural.

Continue lendo

En La Plata se habla portugués: brasileños quieren ser médicos y coparon la universidad gratuita

Este año hubo en total casi 4.000 inscriptos y uno de cada 5 es de esa nacionalidad. Además, son el 60% de los extranjeros. Las causas del fenómeno.

Elías, Sabrina y María, tres de los estudiantes brasileños que empezarán a estudiar este años en La Plata. Foto: Mauricio Nievas

Como Paraguai e Bolívia conseguiram se transformar em países bilíngues

Ambos os países têm iniciativas para manter as línguas indígenas vivas, convivendo com o espanhol; esforço se reflete desde a educação bilíngue nas famílias à legislação dos países.

O Paraguai e a Bolívia estabeleceram, nos últimos anos, medidas para garantir que as línguas indígenas continuem sendo bastante faladas por gerações e gerações – uma estratégia que ajuda a explicar por que, diferentemente do Brasil, dominar esses idiomas não é algo ligado a minorias nesses países.

Continue lendo

IPOL Pesquisa

Receba o Boletim

Facebook

Revista Platô

Visite nossos blogs

Clique na imagem

Clique na imagem

Visitantes

Arquivo