Patrimônio Imaterial

Dia 12 de agosto aconteceu o 1º vestibular em uma Aldeia Indígena de Rondônia

Avaliamos que este momento constituiu uma importante referência para a UNIR nesta caminhada de dez anos de aprendizagens interculturais com os Povos originários da Amazônia.

Dia 12 de agosto aconteceu o 1º vestibular em uma Aldeia Indígena de RondôniaApós 10 anos de existência da aprovação do Projeto Pedagógico do Curso (PPC), ocorrido em outubro de 2008, a Licenciatura em Educação Básica Intercultural por meio de seu Departamento, estendeu pela primeira vez o processo seletivo discente até uma aldeia indígena do estado de Rondônia.

Nesta 7ª edição do vestibular, atendendo solicitação dos Povos Indígenas, dentre outros, o Professor indígena André Jabuti, foi escolhida a Aldeia Ricardo Franco, da Terra Indígena Rio Guaporé, distante cerca de 250 km de Guajará-Mirim, com acesso único por meio fluvial. Continue lendo

A experiência da Lombardia

O pesquisador Humberto Cunha encerra séria com artigo sobre legislação cultural da região italiana

fto

O carnaval de Milão: proteção do patrimônio cultural imaterial na região italiana da Lombardia permite paralelos com a legislação brasileira, em especial o caso cearense

O patrimônio cultural intangível da Região da Lombardia, na Itália, passou a ser formalmente salvaguardado a partir de 28 de outubro de 2008, data em que ocorreu a publicação da Lei Regional nº 27, aprovada cinco dias antes. Nela, o artigo 1 revela o âmbito de aplicação e a finalidade e especifica que “a Região, de acordo com as disposições do seu próprio Estatuto e inspirada na Convenção para a Proteção do Patrimônio Cultural Imaterial” , reconhece e valoriza, em suas diferentes formas e expressões, o mencionado patrimônio que se faça “presente na Lombardia ou em comunidade de cidadãos Lombardos que residem no exterior e façam referência às tradições lombardas”. Continue lendo

Programa brasileiro de tradução para Libras é finalista em premiação no México

VLibras 'traduzindo' trecho de página na internet (Foto: Gabriel Luiz/G1)

VLibras ‘traduzindo’ trecho de página na internet (Foto: Gabriel Luiz/G1)

Software público foi desenvolvido pelo Ministério do Planejamento. Ele concorre com mais duas iniciativas na categoria ‘sociedade igualitária e colaborativa’.

O software público brasileiro VLibras – que permite traduzir textos, áudios e vídeos para a Língua Brasileira de Sinais, usada por pessoas com deficiência auditiva – é finalista em uma premiação internacional no México. A cerimônia celebra iniciativas para tornar as cidades “mais inteligentes”.

Criado pelo Ministério do Planejamento em parceria com a Universidade Federal da Paraíba (UFPB), o programa concorre com outros dois finalistas na categoria “sociedade igualitária e colaborativa”. Os vencedores desta edição poderão expor o projeto no próximo congresso, em um stand de 9 metros quadrados. Continue lendo

Idioma Iorubá é oficialmente patrimônio imaterial do Rio

Projeto de Lei evidencia a importância da preservação dos vestígios imateriais das presenças negras africanas no Brasil

O rei Ooni Adeyeye Enitan Ogunwiusi, Ojaja ll de Ifé, líder espiritual para o povo iorubá, autoridade religiosa e detentor de grande influência política na Nigéria, recebendo homenagens de entidades Afro no Cais do Valongo, no Rio
O rei Ooni Adeyeye Enitan Ogunwiusi, Ojaja ll de Ifé, líder espiritual para o povo iorubá, autoridade religiosa e detentor de grande influência política na Nigéria, recebendo homenagens de entidades Afro no Cais do Valongo, no Rio – Paulo Carneiro/Parceiro/Agência O Dia

Rio – O idioma Iorubá, praticado nas religiões afro-brasileiras, agora é patrimônio imaterial do Estado do Rio. O Projeto de Lei, que foi aprovado na Assembleia Legislativa (Alerj), evidencia a importância da preservação dos vestígios imateriais das presenças negras africanas no Brasil. Continue lendo

“Se Cabo Verde não é capaz de organizar um discurso histórico, alguém será capaz”

Professor da Universidade da Universidade de Évora, Portugal, investigador na área de património, com passagens frequentes por Cabo Verde, onde já deu aulas, Filipe Themudo Barata é um crítico da forma como o mundo anda a tratar a história. De passagem pelo Campus África, na Universidade de La Laguna, conversou com o Expresso das Ilhas e a Rádio Morabeza sobre a importância de preservar a memória.

Estamos a pôr a história de lado?

Estamos a pôr a história de lado. Aquilo que se chama ‘perda de memória’ tem a ver com uma obra que saiu há pouco tempo, de dois autores americanos, “O Manifesto da História”, e que está relacionada com as razões pelos quais a história se foi afastando, pouco a pouco, do espaço publico e as pessoas que a produziam, ou foram afastadas, ou não se importaram. Nos territórios onde a história tem por base a escrita, a bacia do mediterrâneo, onde a história se escrevia, as fontes estão disponíveis, mas nos países onde a história é construída através da oralidade, isto é mais complicado. Continue lendo

O Esperanto em congresso mundial pela primeira vez em Portugal

Por Miguel Faria Bastos

Ainda à espera do reconhecimento como Património Imaterial da Humanidade, o Esperanto tem proteção especial, económica ou académica em vários países.

Será alto patrono do congresso o ministro da Cultura, Luís Castro Mendes. A Comissão de Honra é constituída por 13 figuras de primeiro plano nacional, entre as quais o ex-Presidente da República, general Ramalho Eanes, e o presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Dr. Fernando Medina, do mundo das cátedras, chefia das Forças Armadas, Provedoria de Justiça, magistratura judicial do Supremo, carreira diplomática, artes plásticas, letras, difusão do português, jornalismo, vida desportiva. Continue lendo

IPOL Pesquisa

Receba o Boletim

Facebook

Revista Platô

Visite nossos blogs

Clique na imagem

Clique na imagem

Visitantes

Arquivo