diversidade cultural

Inscrições abertas para o 1º Seminário Língua de Lutas na Amazônia

Direcionado para discussões sobre o ano internacional das línguas indígenas, o evento acontece no período de 5 a 8 de maio, na Ufam

FOTOS: Joelma Sanmelo/UEA

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Para fortalecer a pesquisa em Línguas e em Educação Indígenas no Estado do Amazonas, assim como fomentar projetos de vitalização, a Universidade do Estado do Amazonas (UEA), em parceria com a Universidade Federal do Amazonas (Ufam), realizam o 1º Seminário Língua de Lutas na Amazônia (Lilua) de 5 a 8 de maio. As inscrições para submissões de trabalhos e ouvintes já estão abertas, e os prazos e valores podem ser conferidos por meio do site https://www.even3.com.br/lilua/.

Inscrições – Todas as inscrições devem ser realizadas pelo site do evento, independentemente de o participante apresentar ou não trabalho. A inscrição é necessária para a emissão de certificados.

A inscrição deve ser efetuada segundo a categoria específica do participante (aluno de graduação, aluno de pós-graduação, profissional, entre outros.) e será confirmada no momento do credenciamento, mediante apresentação de comprovação.

A inscrição como ouvinte pode ser realizada até o dia do evento na mesa de credenciamento, mediante comprovação da categoria do participante. Vale ressaltar que pessoas que queiram apenas assistir o evento não necessitam inscrição, mas também não serão certificadas.

O evento não distingue modalidades de apresentação segundo o nível do participante. Todos os participantes podem submeter trabalhos para serem apresentados nas mesas temáticas.

Programação – A agenda está dividida em dois simpósios de educação e de Linguística, e contará com apresentações orais, mesa-redonda, sessão de pôsteres e de trabalhos. Os conferencistas convidados são: Wilson de Lima Silva, da University of Arizona; Pilar Valenzuela Bismarck, da Chapman University; e Anderbio Marcio Silva Martins, da Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD).

Além da apresentação de trabalhos, propriamente, o evento contará ainda com grupos que visam discutir e sistematizar resultados sobre os seguintes temas, com foco especial no Amazonas: Descrição, documentação e análise de línguas indígenas; Estudos históricos sobre línguas indígenas; Novos contextos de uso das línguas indígenas; Políticas linguísticas de línguas indígenas; Ensino de línguas indígenas; O lugar ocupado pelas línguas indígenas na Educação Escolar Indígena; Letramento e alfabetização na formação de professores indígenas; Línguas e culturas indígenas e o português indígena no processo de escolarização dos povos indígenas.

O evento é organizado pelo Grupo de Estudos e Pesquisa em Educação Escolar Indígena e Etnografia da UEA, Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade do Estado do Amazonas (PPGE/UEA), em parceria com o Grupo de Pesquisa sobre Línguas e Culturas Amazônicas (LCA/Ufam) e o Programa de Pós Graduação em Letras da Universidade Federal do Amazonas (PPGL/Ufam).

 

http://www.amazonas.am.gov.br/

Em sua língua nativa, Nory Kaiapo mostra o funk das aldeias indígenas

Fotos por: Reprodução // Redes Sociais

O funk quebrou todas as barreiras e ultrapassou as fronteiras linguísticas com músicas estouradas em vários países. Além de todos os hits que bombaram lá fora, o funk chegou nas aldeias indígenas e funkeiros como Nory Kaiapo, de uma aldeia no Pará, norte do Brasil, canta funk com sua língua nativa pra todo mundo poder embrasar. Chega mais pra conhecer ele.

Continue lendo

YBY Festival reúne muita cultura indígena contemporânea em SP

música na área aberta da unibes cultural vai acontecer no yby festival

Crédito: DivulgaçãoShows promovem a música indígena no YBY Festival

O YBY é o primeiro festival de música indígena contemporânea da história do Brasil!

A cultura indígena nada tem de passado. Ela é presente, viva e pulsante! E você vai ver toda essa potência de pertinho no YBY Festival, que acontece na Unibes Cultural, grudada na estação Sumaré do Metrô! Continue lendo

A língua portuguesa deixando de ser coadjuvante para se tornar protagonista na música internacional

A língua portuguesa deixando de ser coadjuvante para se tornar protagonista na música internacionalMadonna, Drake e Ciara não lançaram nenhuma parceria musical entre si em 2019, todavia eles estão conectados pela música, ainda que eles tenham estilos diferentes. A música tem o poder de conectar pessoas em todo o mundo mesmo que um não entenda o que outro está dizendo. Continue lendo

Mostra Cênica de Verão traz programação gratuita de espetáculos, exercícios cênicos e oficinas formativas

Desterradas (Foto: Dani Clude)

De 12 de novembro a 4 de dezembro, o Departamento de Artes Cênicas da Unicamp apresenta a Mostra Cênica de Verão. A programação é inteiramente gratuita e composta por espetáculos, exercícios cênicos e oficinas formativas apresentadas pelos alunos da graduação e orientadas pelos professores.

O evento acontece semestralmente desde 2010 e vem buscando sempre ampliar o diálogo com a cidade de Campinas. Continue lendo

Projecto WI lança oficialmente álbum “Kudissanga”

Os WI apresentando o álbum Kudissanga

Kudissanga, é o título do álbum de estreia dos “WI”, apresentado e lançado nesta quinta-feira (17), no Miami Beach, a Ilha de Luanda.

O primeiro álbum da dupla Wilder Amado e Ilia Kushner ou simplesmente “Wi”, conta com sete faixas musicais, cantadas em várias línguas e tem uma tiragem inicial de 200 cópias, contando também com uma edição digital, onde é possível encontrar mais faixas. Continue lendo

IPOL Pesquisa

Receba o Boletim

Facebook

Revista Platô

Visite nossos blogs

Clique na imagem

Clique na imagem

Visitantes

Arquivo