Eventos

Jornada de Estudos da Linguagem – 10ª Edição

.

X JEL: Perspectivas, Metodologias e Desafios

Em 2024, com o tema Perspectivas, Metodologias e Desafios, volta à cena a Jornada de Estudos da Linguagem (JEL), organizada pela especialidade Linguística do Programa de Pós-Graduação em Letras – UERJ, em sua 10ª edição, na modalidade plenamente presencial. O evento acontecerá no campus do Maracanã da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, entre os dias 10 e 12 de abril de 2024.

Durante a JEL, os participantes terão a oportunidade de assistir a palestras proferidas por renomados profissionais da área, que trarão consigo décadas de experiência e conhecimento acumulado. As palestras abordarão temas como a evolução da linguagem, a análise do discurso, as questões de gênero no âmbito linguístico, entre outros assuntos relevantes e instigantes para a comunidade acadêmica.

As inscrições para a Jornada de Estudos da Linguagem – 10ª Edição ocorrerão exclusivamente através da plataforma da Even3. Nessa página, os interessados encontrarão todas as informações necessárias para se inscreverem e garantirem sua participação nesse evento imperdível.

Garanta a sua participação agora mesmo e esteja preparado para explorar as fronteiras da linguística e se conectar com outros apaixonados por essa área fascinante. A Jornada de Estudos da Linguagem – 10ª Edição espera por você!

Programação:

Comissão Organizadora:
Fernanda Cavalcanti (coordenadora)

Ceres Carneiro

Décio Rocha

Marina Augusto

Roberta Stanke

Comissão Técnica: Ana Carolina Carlos

Camila Almeida Bruno Martins Gabriel Marques

Gabriel Ourique Gleise Barbosa

Janir Rodrigues da Silva Julia Campos Laura M. J. Brito Costa Letícia Coelho Letícia Veloso Lívia Carvalho Luiza Coelho

Maria Clara Abend Roberto Aguiar

 

 

 Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) – Rio de Janeiro – Rio de Janeiro – Brasil

Para sua inscrição, visite: https://www.even3.com.br/jel10/


Saiba mais puxando a rede:

. visite o facebook do Instituto de Letras / UERJ : https://www.facebook.com/ileuerjoficial/?locale=pt_BR

 

Ministério da Cultura lança Programa Conexão, Cultura e Pensamento com a Universidade Federal de Goiás (UFG)

..

Revista Pihhy traz pensamento indígena como destaque em 2024!

 

‘Pihhy’, em mehi jarka, língua falada pelo povo Mehi-Krahô, significa semente e é o nome escolhido para a revista multimídia que inaugura o “Programa Conexão Cultura e Pensamento”. A iniciativa é uma parceria entre o Ministério da Cultura (MinC), através da Secretaria de Formação, Livro e Leitura/DIEFA e o Curso de Educação Intercultural, do Núcleo Takinahakỹ de Formação Superior Indígena, da Universidade Federal de Goiás (UFG). O lançamento ocorre na segunda-feira (29), em formato virtual.

Inspirado em ações anteriores, como o Programa Cultura e Pensamento, o projeto tem o objetivo de fortalecer espaços públicos de reflexão e diálogo em torno de temas importantes da agenda contemporânea. A atualização deste escopo se inicia pela difusão desta revista multimídia, que será alimentada com conteúdos produzidos por indígenas de diferentes campos de atuação e inaugura o estímulo à criação, produção e circulação, entre múltiplos territórios, baseados em conhecimentos plurais e ancestrais, deixando evidente a complexidade e o valor da pluralidade epistemológica existente no Brasil.

A Revista Pihhy disponibilizará materiais na língua portuguesa, bilíngues ou plurilíngues, e em inglês, em edições mensais, em uma) versão digital hospedada no Portal do MinC na internet. O ambiente tratará temas como educação, direito, conhecimentos, política, ciência, artes, dentre outros, por meio de algumas categorias como: Já me transformei em Imagem; Mestres de Cultura; Cadernos Educativos; Literatura Indígena; A Palavra da Mulher é Sagrada; Vibrações, Sons, Corpos e Direitos Indígenas.

“O Ministério da Cultura tem um papel importante no fomento à produção e difusão do conhecimento. Não há políticas públicas sem os ambientes de reflexões críticas e inventivas para a qualificação de nossas políticas culturais. O programa Conexão, Cultura e Pensamento foi buscar como referência o programa Cultura e Pensamento que exerceu um papel vital em gestões anteriores na articulação de instituições e pesquisadores que estavam produzindo em torno dos temas da cultura. A novidade que apresentamos aqui é trazer a percepção inscrita na palavra conexão”, destaca o secretário de Formação Cultural, Livro e Leitura do MinC, Fabiano Piúba.

Ele destaca que, para além da produção do conhecimento, está é uma possibilidade de estabelecer conexões entre saberes, fazeres e territórios distintos. “Gerando confluências e encontros na promoção do que se produz nas mais diversas áreas do conhecimento no sentido de promover não só a diversidade cultural, mas também a diversidade do conhecimento, das ciências. A Pihhy’ é nossa primeira roça indígena para a gente arar um pensamento mais orgânico e diverso nesta parceria do MinC com a UFG”.  Além da Plataforma digital, o Programa deve englobar outras ações, no sentido de fortalecer a produção de conhecimentos e promover a difusão de culturas locais, inclusão social e diversidade das manifestações artística e culturais, conforme orienta as atribuições da SEFLI e da Diretoria de Educação e Formação artística do Minc.

O nome Pihhy foi escolhido no contexto do próprio curso intercultural, e o secretário Fabiano Piúba, enfatiza essa escolha, salientando que “a semente está associada às ideias de criação, cultivo, colheita e aos ciclos da vida e do tempo. Ela tanto pode ser uma semente de Jatobá ou de Sumaúma, como pode ser uma semente de gente, de pessoa, pois tudo é natureza e cultura. Se a natureza faz o tempo, a cultura faz o cultivo, o saber-fazer-viver.  Ou seja, não podemos mais despregar a reflexão crítica dos ciclos vitais dos saberes e fazeres culturais e tampouco dos saberes da própria natureza. A nossa primeira roça é indígena, a segunda será quilombola e todas serão confluências”, detalha, ao falar da alimentação da plataforma em anos subsequentes a 2024.

“Trata-se de um projeto inovador e de vanguarda porque promove a pesquisa, o registro e a sistematização desses saberes ancestrais que foram, no violento processo histórico e colonial, apagados, adormecidos ou invisibilizados no país. Ela traz à tona, então, pensamentos plurais e diversos sobre temas fundamentais para o mundo contemporâneo, como a sustentabilidade, a relação com a natureza, a democracia e o bem viver”, explica o professor Alexandre Herbetta, um dos coordenadores da proposta. Gilson Ipaxi’awyga, professor do Intercultural e membro do povo indígena Tapirpé também é  um dos coordenadores de conteúdo Revista, finaliza afirmando que a revista é uma oportunidade de se difundir os conhecimentos indígenas, de maneira a se refletir as diversas maneiras de se fazer ciência.

Fonte: https://www.gov.br/cultura/pt-br/assuntos/noticias/ministerio-da-cultura-lanca-programa-conexao-cultura-e-pensamento-na-segunda-29

Saiba mais sobre a UFG e atividades do Núcleo Takinahakỹ puxando a rede junto com IPOL:

. Núcleo Takinahakỹ de Formação Superior Indígena (NTFSI)

O curso de licenciatura em Educação Intercultural da UFG existe desde 2006, sendo em 2014 inaugurado o prédio que comporta esse curso junto ao Núcleo Takinahakỹ de Formação Superior Indígena (NTFSI)… (siga a leitura no link abaixo)

https://intercultural.letras.ufg.br/p/20020-nucleo-takinahak-de-formacao-superior-indigena-ntfsi

. Histórico do curso de licenciatura em Educação Intercultural

O curso foi concebido por uma demanda dos povos indígenas da região Araguaia-Tocantins e atende aos anseios destas comunidades, respeitando o que rege a Constituição Federal e posterior legislação específica sobre a importância e o direito à diferença da Educação Escolar Indígena.

karaja hist

https://intercultural.letras.ufg.br/p/24592-historico

. Conheça a estrutura do curso

Estrutura do Curso

 O curso de licenciatura em Educação Intercultural pertence à área de conhecimento de Educação (CAPES) e possui três habilitações: Ciências da Cultura, Ciências da Linguagem e Ciências da Natureza. De caráter presencial, o curso funciona em tempo integral com carga horária total de 3212 horas, distribuídas ao longo de cinco anos de duração mínima (e sete anos a máxima), durante quatro etapas anuais, sendo duas em Goiânia (Etapa Universidade) e duas nas comunidades (Etapa Terra Indígena).

As “Etapas de Estudos na UFG” ocorrem no Campus Samambaia, em Goiânia-GO, nos meses de janeiro-fevereiro, e julho-agosto, com duração média de 30 a 35 dias, e as “Etapas de Estudos em Terras Indígenas” se realizam entre os meses de abril e junho, e de setembro e novembro, nas aldeias onde moram os estudantes.

O Projeto Político Pedagógico do curso compreende uma Matriz Básica, com duração … (siga a leitura no link abaixo)

https://intercultural.letras.ufg.br/p/24602-estrutura-do-curso

. Siga o Instagram do Núcleo Takinahakỹ  UFG oficial

https://www.instagram.com/takinahaky/

. Conheça Gilson Ipaxi’awyga Tapirapé , 1º docente efetivo indígena da Universidade

https://ufg.br/n/165042-empossado-1-docente-efetivo-indigena-da-universidade

Gilson Ipaxi’awyga Tapirapé

 

Conferência Estadual de Cultura/SC – 2024 começa hoje em Florianópolis!

Os principais objetivos das Conferências de Cultura são promover o debate sobre as políticas culturais com ampla participação popular, propor diretrizes para os Planos de Cultura e definir orientações prioritárias para a área. Em Santa Catarina, as Conferências Municipais foram realizadas até 22 de dezembro de 2023 e o prazo para envio dos relatórios foi até 03 de janeiro de 2024.
Informações sobre a Conferência Estadual de Cultura podem ser obtidas pelo e-mailconferenciaestadual@fcc.sc.gov.br ou pelo telefone 48 3664 2646.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

“The Listener Nagaland” – Festival de Oralidade em Nagaland, Índia

 

 


“The Listener Nagaland” – O Festival de Oralidade,  foi realizado na cidade de Dimapur,  no estado de Nagaland, na Índia, no início de novembro. O prof. Gilvan Muller de Oliveira, UFSC e Cátedra UNESCO para o Multilinguismo fez o lançamento do projeto NEIIPA (Arquivo dos Povos Indígenas do Nordeste da Índia), um repositório digital para o acolhimento de materiais culturais e linguísticos da região.

Lançamento do NEIIPA pela Diretora Dra. Hewasa L. Khing e palestrante principal Dr. Gilvan Müller de Oliveira. (NP)

O Tetso College anuncia o lançamento de um arquivo inovador de Linguagem Digital chamado Arquivo dos Povos Indígenas do Nordeste da Índia (NEIIPA). Este novo arquivo foi lançado hoje no dia 2 de novembro de 2023 durante o programa inaugural de O Ouvinte Nagaland – Um Festival de Oralidade que se realiza no Tetso College de 2 a 4 de novembro de 2023.
O site digital foi lançado oficialmente pelo Prof Dr. Gilvan Muller D Oliviera, Chefe da Cadeira da UNESCO em Políticas Linguísticas para o Multilinguismo, Universidade Federal de Santa Catarina, Brasil, Dr. Hewasa L Khing, Diretor, Colégio Tetso e Dr. Wichamdinbo Mataina, Asst. Professor, Colégio Tetso e Convenor do projeto NEIIPA.
Falando durante o lançamento, o Dr. Hewasa declarou que NEIIPA surgiu da visível falta de disponibilidade de material e conhecimento prontamente disponível para pesquisadores, estudiosos ou qualquer pessoa que queira saber ou ver mais sobre as tribais do Nordeste da Índia. “É uma tentativa sincera e genuína de fornecer conteúdo cultural e histórico confiável do nordeste da Índia para o público global através de uma comunidade sustentável de pensadores engajados. Essa é a visão de NEIIPA”, destacou. Hewasa também manifestou esperança de que seja capaz de ajudar os estudiosos de pesquisa no seu trabalho e promover mais estudos de investigação a partir dos dados disponíveis no site.
Como orador principal o Dr. Gilvan M. de Oliveira esclareceu o profundo papel da oralidade na autocompreensão e na transmissão de valores literários com foco no folclore, na antropologia e na cultura imaterial. Ele enfatizou a importância do discurso científico no contexto da mudança da cultura imaterial. O festival, segundo ele, representa um esforço inovador para homenagear e celebrar as tradições que constituem a base da identidade cultural e sublinhou a importância de compreender cada língua como herança e de se adaptar à evolução de conceitos e discussões.Destacou o significado universal do Património Cultural Imaterial (PIC) como uma lição para toda a humanidade, defendendo o seu papel na promoção da paz através da preservação de diversas culturas e discutiu os desafios no reconhecimento do PCI, com foco na monumentalização de obras-primas versus a valorização da produção.
Uma iniciativa do Colégio Tetso, NEIIPA é um repositório digital abrangente dedicado ao acolhimento de materiais culturais e linguísticos da região e é um dos primeiros deste tipo na região. A iniciativa enfatiza o nosso compromisso e o amor por preservar e promover os nossos conhecimentos indígenas e património cultural que estão inseridos na nossa língua e que correm o risco de serem perdidos lentamente devido à extrema influência da globalização sobre línguas e cultura menos conhecidas.
Os materiais no NEIIPA serão um recurso valioso para linguistas, pesquisadores, entusiastas de línguas, oferecendo uma vasta coleção de gravações audiovisuais, recursos escritos e multimédia de diversas comunidades linguísticas.
O Colégio Tetso convida o público, a comunidade acadêmica e os entusiastas da cultura a explorar o nosso arquivo digital e a engajar-se na exoneração destes incríveis tesouros linguísticos. Também damos as boas-vindas a investigadores e estudiosos e ativistas de línguas nativas para submeterem quaisquer materiais linguísticos a serem arquivados no NEIIPA que podem ser acedidos em www.neiipa.in.
> Leia a matéria na fonte

https://nagalandpost.com/index.php/tetso-college-hosts-2nd-the-listener-nagaland/

_______________________________

Saiba mais puxando a rede:

 

 

Visite o site do projeto NEIIPA: https://neiipa.in/

 

 

Site da fundação IMASI – The Maharaj Kumari Binodini Devi Foundation : http://imasi.org/listenerfestival/

Conheça Nagaland 

Assista ao vídeo da abertura do evento: https://www.youtube.com/watch?v=CIDP1rT6gPU

 

 

IPOL participa de Congresso Internacional “DESAFÍOS EN LA DIVERSIDAD” em setembro

Quito, septiembre 12–15, 2023

Ecuador será la sede de uno de los encuentros transdisciplinarios de la Fundación Humboldt “Humboldt Kolleg 2023” que se enfocará en la diversidad y las complejidades que implica vivir en ella, así como en las estrategias emergentes surgidas desde los y las hablantes, la academia, sectores políticos, y activistas lingüístico-culturales.

Esta iniciativa parte de un esfuerzo conjunto entre asociaciones e individuos relacionados con la Fundación Humboldt y que tienen como objetivo reforzar el quehacer investigativo transdisciplinar con la creación de redes y la motivación a investigadores jóvenes, en la búsqueda de propuestas contextualizadas sustentables.

 

 

 

 

 

 

Desafíos en la Diversidad

CONGRESO INTERNACIONAL TRANSDISCIPLINARIO DESAFÍOS EN LA DIVERSIDAD (IV)

LENGUAS Y VARIEDADES EN DESPLAZAMIENTO: DOCUMENTACIÓN-REVITALIZACIÓN CON JUSTICIA SOCIAL

Este encuentro se propone, al igual que los tres encuentros que le precedieron (2011, 2016, 2018, 2019), reunir múltiples voces, lenguas, historias, cosmovisiones, culturas así como muchos otros aspectos de los pueblos indígenas y las lenguas minorizadas en todo el mundo, con el fin de crear conciencia hacia la complejidad de la diversidad y la necesidad de comprender mejor cómo un enfoque constructivo hacia otras lenguas puede contribuir a combatir el estigma y la discriminación, para favorecer la construcción de sociedades más justas.

 

 

Rosangela Morello, coordenadora do IPOL (Instituto de Investigação e Desenvolvimento em Política Linguística), participará dos trabalhos com a   apresentação Políticas para reparar la represión y la discriminación lingüística no dia 15/09/23

Con el regreso a la democracia, a partir de la década de 1990, Brasil se convirtió en escenario de un conjunto de iniciativas destinadas a garantizar los derechos lingüísticos y educativos para numerosas partes de la población brasileña históricamente excluida de las políticas públicas. Entre estas iniciativas, hay dos específicamente dirigidas a la promoción y el reconocimiento de las lenguas brasileñas: la Política del Inventario Nacional de la Diversidad Lingüística de Brasil, una política pública creada por el Decreto Federal número 7.387, del 9 de diciembre de 2010, y la Política de Cooficialización de Lenguas por Municipios, que comenzó en 2002 en el Municipio de São Gabriel da Cachoeira, Amazonas. Ambas son políticas públicas de reconocimiento y producción de conocimiento sobre las lenguas brasileñas, con importantes impactos para cuestionar la ideología del monolingüismo que predomina en el país y para proponer una política de gestión de las lenguas destinada a fomentar la diversidad lingüística. Comenzamos este texto con una breve contextualización histórica y política de la actuación del Estado brasileño en el tratamiento de las lenguas y, a continuación, presentamos de manera concisa las políticas de cooficialización e inventario, señalando algunos de sus resultados. Por último, indicamos, a modo de ejemplo, vías de articulación para planificar acciones futuras destinadas a apoyar las lenguas brasileñas.

 

___________________________________

Saiba mais IPOL puxando a rede:

Visite o site OralidModernidad, desenvolvido por Marleen Haboud, uma das coordenadoras do evento, no Equador.

 

 

El Ecuador es un país multiétnico, multilingüe y multicultural en el que existen al menos 13 lenguas indígenas todavía vitales. Oralidad Modernidad es un programa de investigación interdisciplinaria que busca determinar la situación de las lenguas indígenas en el Ecuador mediante la recopilación de entrevistas sociolingüísticas, testimonios, conversaciones libres y el desarrollo de actividades comunitarias que facilitan la creación de espacios de intercambio multicultural. A partir del contacto permanente y el trabajo conjunto con comunidades indígenas del país, Oralidad Modernidad trata de comprender la compleja situación de las lenguas indígenas del Ecuador de hoy. Para esta ardua tarea desarrolla, desde la Lingüística, actividades interdisciplinarias con estudiosos de la Antropología, Sociología, Literatura, Comunicación, Arte, Diseño y Geografía.

Visite o site Oralidad Modernidad

Perspectivas teóricas em política linguística

Evento ABRALIN: “A pesquisa em política linguística no Brasil”
No dia 30 de junho, 17h, será realizado durante o evento “A pesquisa em política linguística no Brasil”,  organizado pela comissão de Políticas Públicas da Abralin, a mesa-redonda “Perspectivas teóricas em política linguística” com a participação de Rosângela Morello (IPOL), Maria Teresa Celada (USP), Elias Ribeiro da Silva (UNIFAL), com mediação de Cristiane Gorski Severo (UFSC).
O evento será transmitida ao vivo no canal do YouTube da Abralin. O evento será acessível em Libras. Participem!

 

 

 

JORNADA: A pesquisa em política linguística no Brasil Perspectivas teóricas em política linguística

Mediação: Cristine Gorski Severo (UFSC) Participantes: Rosângela Morello (IPOL), Maria Teresa Celada (USP), Elias Ribeiro da Silva (UNIFAL)

IPOL Pesquisa

Receba o Boletim

Facebook

Revista Platô

Revistas – SIPLE

Revista Njinga & Sepé

REVISTA NJINGA & SEPÉ

Visite nossos blogs

Forlibi

Forlibi - Fórum Permanente das Línguas Brasileiras de Imigração

Forlibi – Fórum Permanente das Línguas Brasileiras de Imigração

GELF

I Seminário de Gestão em Educação Linguística da Fronteira do MERCOSUL

I Seminário de Gestão em Educação Linguística da Fronteira do MERCOSUL

Clique na imagem

Arquivo

Visitantes