Relações internacionais

VII Conferência Mundial sobre Línguas Pluricêntricas e III Conferência Internacional da Cátedra UNESCO em Políticas Linguísticas para o Multilinguismo.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Estão abertas até o dia 31 de março de 2020 as inscrições para a VII Conferência Mundial sobre Línguas Pluricêntricas e III Conferência Internacional da Cátedra UNESCO em Políticas Linguísticas para o Multilinguismo.

 

Local: Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, Brasil.

Data: 6 a 8 Julho 2020.

Informações: PRIMEIRA CHAMADA VII Conferência PLuricentric Languages

(disponível também em Inglês e Espanhol)

Página: http://www.pluricentriclanguages.org/

https://www.facebook.com/linguas.pluricentricas.3/about

 

Participe e divulgue!

Em luta contra o “separatismo islâmico”, Macron limita ensino do árabe e presença de imãs estrangeiros

O Presidente francês diz que não quer “estigmatizar, mas antes integrar” a comunidade muçulmana francesa, mas toma a ofensiva, a menos de um mês das eleições municipais.

Emmanuel Macron rodeado de crianças em Mulhouse JEAN-FRANCOIS BADIAS/REUTERS

O Presidente francês, Emmanuel Macron, quer lutar contra o que chama de “separatismo islâmico” em França, e por isso anunciou o fim do ensino de línguas originais dos filhos de imigrantes nas escolas, ministradas por professores dos países de origem – o seu alvo são os países muçulmanos, que ministram o árabe e o turco, por exemplo. Pretende também acabar com o sistema através do qual países como a Argélia, Marrocos e Turquia enviam líderes religiosos (imãs) para as mesquitas francesas.

“Na República, não há lugar para o islão político. Não devemos jamais aceitar que as leis da religião possam ser superiores às leis da República”, declarou Macron, numa deslocação a Mulhouse, no Leste de França.

Cerca de 300 imãs são enviados todos os anos para França por aqueles países muçulmanos, e o facto de as autoridades francesas não terem uma palavra a dizer sobre a sua escolha tem sido um motivo de irritação. Muitas vezes estes imãs não falam francês e estão sob suspeita de espalharem ideias radicais. O Presidente francês garantiu que 2020 é o último ano em vigora este sistema.

A integração, ou falta dela, da população muçulmana francesa, é um tema de ataque constante da líder da extrema-direita Marine Le Pen a Macron. Frisando que não quer “estigmatizar, mas antes integrar”, relata o Le Monde, o Presidente tenta tomar a iniciativa. Até porque as eleições municipais estão à porta – a primeira volta é já a 15 de Março –, e não se prevê um resultado muito famoso a nível nacional para o seu partido, A República em Marcha, sendo este o género de assunto fácil de capitalizar em campanha por Le Pen.

Além da questão dos imãs, prometeu também acabar com o ensino da língua de origem dos estudantes imigrantes ou filhos de imigrantes na escola pública, pago por nove governos estrangeiros. Este programa vai ser substituído por um de ensino de línguas estrangeiras. Macron disse ter chegado a acordo com todos os países, excepto a Turquia. “Não se pode deixar ter a lei turca em solo francês. Não pode ser”, declarou.

Mas Najat Vallaud-Belkacem, ministra da Educação no anterior Governo socialista, do qual Macron fazia parte, ouviu este discurso e diz quase ter caído da cadeira. No Twitter, garantiu que ela própria tinha lançado o fim deste programa (que Portugal integrava) em 2016. O actual ministro da Educação, Jean-Michel Blanquer, respondeu na rádio Franceinfo que o fim do programa “foi pensado pelo Governo anterior, mas apenas foi terminado com Portugal e a Tunísia”. “Vamos fazê-lo com todos os países, de verdade.”

Programa Startalk dos EUA não inclui português como língua crítica em 2020

Programa Startalk dos EUA não inclui português como língua crítica em 2020

Pixabay

O programa federal Startalk, que financia projetos de formação em línguas consideradas críticas nos Estados Unidos da América, não incluirá o português na edição 2020, uma decisão justificada pelas “prioridades” da comunidade de inteligência no próximo ano.

“Como parte da Declaração de Trabalho, o Governo reserva o direito de mudar o ‘mix’ de línguas em qualquer momento, com base nas prioridades e financiamento da Comunidade de Inteligência”, explicou à Lusa fonte do gabinete de comunicação da Agência de Segurança Nacional (NSA), que financia o programa. Continue lendo

Hungria dificulta aprovação de comunicado da NATO sobre a Ucrânia

Putin encontrou-se com Orban esta semana LUSA/ZOLTAN MATHE

Delegação húngara vetou versões iniciais que não incluíam referência aos direitos linguísticos da minoria étnica húngara na Ucrânia. No mesmo dia, Putin esteve em Budapeste para se reunir com Orban.

Por insistência da Hungria, a declaração conjunta da NATO sobre a Ucrânia acabou por incluir uma referência à protecção dos direitos da minoria húngara que vive no país. Continue lendo

Falar português, comer frango e jogar à bola. A nova vida das crianças indígenas venezuelanas

O Brasil recebeu quase 170 mil venezuelanos desde o início da crise, incluindo indígenas da etnia Warao. Vêm do norte da Venezuela, vivem junto ao rio Orinoco, são pescadores e têm uma língua própria. Muitos não falam espanhol, o que torna a integração ainda mais difícil. Para contornar o problema, há várias escolas em Manaus a acompanharem crianças refugiadas.

Nesta escola de Manaus as aulas começaram ainda há pouco. As portas das salas de aula já estão fechadas mas pode ouvir-se a voz de Adênis Gama, professora do terceiro ano da primária. Continue lendo

Canadá. Relatório expõe genocídio de mulheres indígenas

Um novo relatório agora conhecido denuncia um genocídio de mulheres indígenas no Canadá. Durante 30 anos, foram assassinadas milhares de mulheres. Muitas outras continuam dadas como desaparecidas em circunstâncias misteriosas. O primeiro-ministro canadiano, Justin Trudeau, já se pronunciou.

Continue lendo

IPOL Pesquisa

Receba o Boletim

Facebook

Revista Platô

Visite nossos blogs

Clique na imagem

Clique na imagem

Visitantes

Arquivo