Língua Portuguesa

II Jornada de Estudos em Português Língua Internacional (JEPLI)

 

 

 

 

 

 

Nos dias 05 e 06 de maio de 2022, acontecerá na UERJ a II Jornada de Estudos em Português Língua Internacional (JEPLI). O evento, online e gratuito, está com inscrições abertas para ouvintes e comunicadores, havendo previsão de publicação dos textos.

Com o duplo objetivo de fazer memória do Dia Internacional da Língua Portuguesa e discutir aspectos da nova presença do português no mundo, a Jornada de estudos em português língua internacional – JEPLI – convida todos os interessados a participarem.

Os resumos, contendo entre 200 e 300 palavras e de 3 a 5 palavras-chave, devem ser enviados para jornadajepli@gmail.com até o dia 30/04/22.

Todas as informações podem ser vistas no site do evento.

Brasil sedia Conferência Internacional das Línguas Portuguesa e Espanhola

Nos próximos dias 16, 17 e 18 de fevereiro, será realizada a 2ª Conferência Internacional das Línguas Portuguesa e Espanhola – Cilpe 2022. O evento faz parte do Programa de Difusão da Língua Portuguesa da OEI, que tem como objetivo fomentar a difusão e o fortalecimento da língua portuguesa em um modelo bilíngue com o espanhol, nas áreas de educação, ciência e cultura.
A primeira Conferência foi realizada em 2019 em Portugal e é muito significativo que a Cilpe 2022 seja realizada no Brasil, um país de fala portuguesa de dimensões continentais e que possui milhares de quilômetros de fronteiras com países de fala hispana.

Não é exagero dizer que o espanhol e o português são línguas globais: o espanhol é atualmente a segunda língua do mundo em número de falantes, enquanto o português está na quarta posição.

No entanto, de acordo com estudo realizado pela OEI, em parceria com o Real Instituto Elcano, no ano de 2020, 84% dos pesquisadores ibero-americanos escolheram publicar seus trabalhos científicos em inglês, em vez de prestigiar a língua materna. A projeção internacional do espanhol e do português, intensificada pelo bilinguismo, tem potencial para fortalecer ambas as línguas e ajudar a promover, por exemplo, uma ciência mais aberta e mais acessível, com as diversas vantagens que o multiculturalismo tem a oferecer.

Obviamente que as contribuições do bilinguismo em português e espanhol vão muito além da área científica, pois é inegável que a língua é um dos recursos mais importantes para uma influência global, com repercussão para a economia, cultura e geopolítica, em especial numa sociedade digital e com tanta mobilidade como a atual.

E o espanhol e o português são duas línguas que contêm múltiplos recursos para se conectar, pois não apenas possuem uma origem comum, como também são muito próximas, o que facilita a intercompreensão, a aprendizagem e o bilinguismo.

Dentre as linhas de ação do Programa de Difusão da Língua Portuguesa da OEI se destaca o projeto das escolas bilíngues de fronteira, com uma abordagem intercultural, que pretende desenvolver experiências de bilinguismo português e espanhol em regiões limítrofes entre países que falam essas línguas.

O bilinguismo, a par de aproximar e fortalecer os países de fala portuguesa e hispana, transmite uma poderosa mensagem para a humanidade em tempos de polarização como atualmente, trazendo novas possibilidades de um futuro com mais diversidade, inclusão, valorização da multiculturalidade e da interculturalidade, ampliação do intercâmbio estudantil e profissional, além da criação de novos espaços de produção do conhecimento.

A Cilpe 2022 reunirá acadêmicos, cientistas, especialistas de várias áreas do conhecimento e representantes dos governos de diversos países ibero-americanos, bem como profissionais de organismos de cooperação e de instituições públicas e privadas, para tratar sobre as potencialidades e os desafios do bilinguismo em português e espanhol.

Todas as pessoas estão convidadas para esse evento, cuja realização será sediada em Brasília, mas em regime híbrido, com participações remotas transmitidas de diversas regiões da ibero-américa e que poderão ser acompanhadas pelo público presencialmente e, também, em tempo real pela internet.

O evento representa mais um passo da OEI, dos países-membros, seus governos, instituições parceiras e demais colaboradores para dar continuidade aos seus trabalhos de fortalecimento do uso da língua portuguesa em um modelo que pode ampliar e reforçar os espaços de cooperação na educação, na ciência e na cultura.

*Por Raphael Callou é diretor da Organização de Estados Ibero-americanos (OEI) para a Educação, a Ciência e a Cultura no Brasil

Chamada aberta: “Pluricentrismo linguístico do português”

Chamada aberta — Edição especial

“Pluricentrismo linguístico do português: perspectivas para o ensino e a formação de professore(a)s”

Observatório de Português Língua Estrangeira / Segunda Língua (ObsPLE-PL2, UFBA/CNPQ)

Editores: Edleise Mendes (UFBA), Eduardo Lopes Piris (UESC), Jocenilson Ribeiro (UFS), Sílvia Melo-Pfeifer (Universidade de Hamburgo-UH)

1. Apresentação

As línguas pluricêntricas caracterizam-se por apresentar mais de um centro de referência, representando variadas normas linguísticas, nem sempre coincidentes do ponto de vista de seus usos. As normas variam internamente e, também, externamente, como é o caso de normas que diferem entre países ou regiões. De acordo com os principais teóricos que fundamentam os estudos sobre o tema (Michael Clyne; 1992; Rudolf Muhr, 2012), o pluricentrismo linguístico apresenta dois aspectos fundamentais: as relações entre linguagem e identidade e linguagem e poder. Esta última, sobretudo, tem demonstrado ser central para a compreensão das relações entre diferentes normas de uma língua pluricêntrica como o português.

As relações entre as variedades nacionais do português, por exemplo, têm sido de assimetria e de isolamento, pois assentam na competição entre as normas dominantes ou centrais, as normas brasileira e portuguesa, e o isolamento (ou mesmo apagamento simbólico) das outras variedades não-dominantes ou periféricas, dos demais países de língua oficial portuguesa, como os Países Africanos de Língua Portuguesa – PALOP e Timor-Leste. Desse modo, o conceito de pluricentrismo linguístico e suas implicações para o ensino e a formação de professore(a)s deve assumir-se como central para que possamos, a partir do posicionamento geopolítico do português hoje, pensar em perspectivas menos excludentes de gestão e de ensino da língua, que questionem a centralidade de duas normas em estado de competição, a portuguesa e a brasileira, para incluir e fortalecer as normas em desenvolvimento nos outros espaços da lusofonia (MENDES, 2016).

No debate recente sobre o tema, ainda são predominantes os estudos que estabelecem como foco a comparação entre sistemas de normas, numa perspectiva estritamente linguística, sem que sejam problematizados os aspectos sociais, políticos e culturais que impactam, diretamente, a promoção, a difusão e a projeção do português, especialmente nos campos do ensino e da formação de professore(a)s.

Desse modo, este Dossiê busca promover novas reflexões e debates sobre o pluricentrismo linguístico do português, com especial atenção para as diferentes dimensões éticas, políticas, teóricas e metodológicas que orientam o ensino e a formação de professore(a)s, em diferentes contextos de atuação no mundo.

A publicação, bem como seus/suas editores(as), integram o Observatório de Português Língua Estrangeira / Segunda Língua (ObsPLE-PL2), rede de pesquisadores(as) da área PLE/PL2, vinculados a universidades do Brasil e do exterior, em quatro continentes, interessados em estudos voltados para a língua portuguesa e sua grande diversidade linguística e cultural, em diferentes espaços do mundo.

2. Eixos temáticos

  • Políticas linguísticas em contexto do pluricentrismo do português
  • Língua, cultura, identidade e ensino pluricêntrico do português
  • Políticas de currículo para o ensino de Português Língua Pluricêntrica (PLP)
  • Perspectivas plurilingues, interculturais e críticas no ensino de PLP na formação de professore(a)s
  • Pluricentrismo linguístico e intercompreensão
  • Descolonização/decolonização do ensino da língua portuguesa na formação de professore(a)s
  • Abordagens e práticas de sala de aula de ensino de português numa perspectiva pluricêntrica
  • Contextos de ensino de português e pluricentrismo linguístico: PLE, PL2, PLA, PLH, PLAc.
  • Desenvolvimento de materiais e recursos para o ensino de PLP
  • Pluricentrismo linguístico e ensino on-line do PLP
  • Formação inicial e continuada de professore(a)s de PLP
  • Atitudes e crenças de professore(a)s e aluno(a)s sobre o pluricentrismo do português e o seu ensino

Submissões até: 30 março 2022

Informações para submissão:
https://periodicos.ufba.br/index.php/estudos/announcement/view/590

ABERTO O 2.º CONCURSO IILP – ITAMARATY DE ARTIGOS CIENTÍFICOS SOBRE A LÍNGUA PORTUGUESA

 

Estão abertas, de 06 de dezembro de 2021 a 31 de março de 2022, as inscrições para o 2.º Concurso IILP – Itamaraty de Artigos Científicos sobre a Língua Portuguesa, iniciativa financiada com base na contribuição extraordinária concedida pelo Brasil.

O concurso, que oferecerá prêmios em dinheiro aos autores dos melhores artigos, inclui duas categorias, Graduação/Licenciatura e Pós-graduação. Para requisitos de submissão de trabalhos e mais informações, confira abaixo o regulamento completo e os respetivos anexos.

Prêmio de Revelação Literária: Novos Talentos, Novas Obras em Língua Portuguesa

VII Prémio de Revelação Literária:
Novos Talentos, Novas Obras em Língua Portuguesa

Candidaturas terminam no dia 6 de fevereiro de 2022

Desde a primeira edição, que este Prémio se tem demonstrado como o mais representativo, a nível de candidaturas a concurso, de revelação literária de todo o espaço da Língua Portuguesa. Nas edições anteriores a UCCLA tem vindo receber, em média, mais de 700 obras candidatas. Só pode concorrer, quem nunca editou uma obra literária e enviar uma única obra a concurso.

A capacidade de atração do Prémio Literário UCCLA ampliou-se para além dos países lusófonos, com candidatos que de outros países enviaram as suas obras, envolvendo todos os continentes. Já recebemos candidaturas da Ásia (Macau, Japão e Austrália), de África (África do Sul), da América (Canadá, EUA, Chile, Paraguai) e da Europa (Espanha, Itália, França, Alemanha, Inglaterra e Suíça). Mais de 1/3 são mulheres e mais de metade são jovens.

Pela primeira vez o júri de 2019 inclui na sua composição escritores de todos os países de Língua portuguesa: Domício Proença, Brasil; Germano Almeida, Cabo Verde; Inocência Mata, São Tomé e Príncipe; José Luís Mendonça, Angola; José Pires Laranjeira, Portugal; Luís Carlos Patraquim, Moçambique, Luís Costa, Timor, Tony Tcheka, Guiné Bissau, e Rui Lourido – pela UCCLA. A Biblioteca representada este ano é a Biblioteca da Região Administrativa Especial de Macau (RAEM).

O prémio consiste:

  • no valor de 3000 euros entregue ao vencedor pela Câmara Municipal de Lisboa, que se associou desde 2021;
  • A UCCLA apresenta o nome do escritor e título da obra vencedora a 5 de Maio, o Dia Mundial da Língua Portuguesa;
  • na edição do Livro vencedor, pela Guerra e Paz Editores;
  • sua apresentação e venda na próxima Feira do Livro de Lisboa (Junho 2022);
  • no convite com tudo pago (viagem aérea, alimentação e alojamento) para apresentar uma comunicação ao próximo Encontro de Escritores de Língua Portuguesa que a UCCLA organiza anualmente fora de Portugal.

Spot Prémio Revelação Literária-UCCLA_mov (vimeo.com)

O Prémio Literário UCCLA tem parceria com o Movimento 800 anos da Língua Portuguesa.

Seminário online: A língua portuguesa e seu léxico

IPOL Pesquisa

Receba o Boletim

Facebook

Revista Platô

Visite nossos blogs

Clique na imagem

Clique na imagem

Visitantes

Arquivo