Notícias da Rede

México promoverá “diplomacia indígena” com 1º embaixador de povo originário

MÉXICO EEUU

O ministro das Relações Exteriores mexicano, Marcelo Ebrard. EFE/Arquivo

O governo do México anunciou nesta sexta-feira que promoverá a “diplomacia indígena” após a nomeação de Leopoldo de Gyves como embaixador na Venezuela, tornando-o o primeiro homem de um povo originário a ocupar tal cargo.

“Nossa política externa deve ter essa dimensão e Leopoldo também tem essa responsabilidade agora na Venezuela. Ele já está promovendo, e faremos em outras embaixadas, o ‘encontro dos povos originários’ de todo o continente e outras civilizações”, declarou o ministro das Relações Exteriores mexicano, Marcelo Ebrard.

Ebrard participou hoje do primeiro “Encontro de Diplomacia Indígena”, no qual ressaltou que De Gyves “é o primeiro embaixador mexicano indígena”, uma vez que pertencerao povo zapoteca, como o presidente Benito Juárez, que liderou o movimento para restaurar a República e modernizar o país no século XIX.

Nesse sentido, o chanceler destacou que o México é um país com 68 línguas indígenas, razão pela qual criticou o fato de a representação ter demorado tanto.

“Como o México poderia não estar comprometido com uma política externa que tenha a dimensão da diplomacia indígena, que é refletir, representar toda essa diversidade no exterior e buscar o encontro com outras civilizações e povos?”, questionou Ebrard.

O México é um dos países com a maior população indígena das Américas, com mais de 23 milhões de pessoas assumidas como tal entre um total de 126 milhões de habitantes, segundo o último censo de 2020.

Isso significa que quase um em cada cinco habitantes do México se reconhece como indígena, embora apenas cerca de 7,1 milhões de pessoas (6,1% da população total) com três anos ou mais falem uma língua indígena, entre as quais se destacam náuatle, maia, tseltal, tsotsil, mixtec e zapoteca.

O presidente Andrés Manuel López Obrador vem promovendo o simbolismo dos povos indígenas ao renomear efemérides como a conquista do México em 1821 pelos espanhóis, que ele agora chama de “resistência indígena”.

“Hoje começa uma nova etapa na representação do México no exterior, e vocês devem estar muito orgulhosas e orgulhosos de que assim seja, que a diplomacia indígena agora ocupe um lugar de destaque e não apenas nas declarações, mas também nas conquistas e nos fatos”, destacou Ebrard.

Por sua parte, o novo embaixador mexicano na Venezuela prometeu “estabelecer vínculos entre os povos indígenas do México e os da América Latina e do Caribe”.

“As transformações políticas, econômicas, sociais e culturais que nossa região vive são o marco ideal para realizar essas tarefas”, afirmou De Gyves no evento. EFE

Via Agência EFE

Google desta sexta-feira faz homenagem à ativista indígena brasileira Rosane Kaingang

O Doodle de hoje celebra o espírito inabalável de Rosane Mattos Kaingang, uma ativista indígena brasileira que trabalhou incansavelmente para lutar pelos direitos indígenas.

Ela trouxe representação para a comunidade indígena e desempenhou um papel fundamental para ajudar o Conselho de Direitos Humanos (CNDH) a investigar violações de direitos contra indígenas brasileiros. Neste dia de 1992, na Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento, sediada no Rio de Janeiro (ou Conferência Rio 92), ela iniciou sua vida de serviço ao movimento indígena.

Kaingang era descendente do povo Kaingang, etnia indígena originária principalmente dos estados do sul do Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul. Seu nome indígena, Kokoj, significa “beija-flor”, e foi dado a ela durante uma cerimônia em homenagem à sua bisavó, que morreu aos 120 anos! Assim como seu nome, tudo o que ela mais tarde trabalhou estava fortemente enraizado em sua comunidade e herança.

Via Plataforma Media

Sônia Guajajara entra na lista dos 100 mais influentes da Revista Time

TIME 100 2022: Sonia Guajajara. Nacho Doce—Reuters

A líder indígena maranhense Sônia Bone Guajajara foi escolhida pela revista Time uma das cem pessoas mais influentes do mundo em 2022. Bone, que é coordenadora-executiva da Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (Apib), organização membro do Observatório do Clima, e co-fundadora da Articulação das Mulheres Indígenas Guerreiras da Ancestralidade (Anmiga), foi reconhecida na categoria Pioneiros pelo seu trabalho em defesa dos povos indígenas.

“Uma liderança indígena entrar nessa lista é o reconhecimento da luta coletiva que viemos fazendo há anos em defesa dos nossos direitos e do nosso modo de vida. Isso nos motiva a seguir adiante porque é sinal de que estamos transpondo barreiras, ultrapassando todas as fronteiras da invisibilidade. Os povos indígenas merecem estar entre os cem mais influentes porque estamos na linha de frente da luta pela vida. Não é um mérito da Sonia Guajajara, mas sim dos povos indígenas brasileiros”, disse a ativista.

O texto de apresentação publicado na revista, que tem autoria de Guilherme Boulos, líder do MTST (Movimento dos Trabalhadores Sem Teto) e pré-candidato a deputado federal pelo PSOL, destaca que “desde cedo, ela lutou contra forças que tentam exterminar as raízes de sua comunidade há mais de 500 anos. Sônia resistiu e continua resistindo até hoje: contra o machismo, como mulher e feminista; contra o massacre de povos indígenas, como ativista; e contra o neoliberalismo, como socialista. (…) Sônia Guajajara está na linha de frente da luta contra a tentativa do governo Bolsonaro de destruir as terras indígenas, junto com a floresta amazônica”.

Nascida na Terra Indígena Araribóia, no Maranhão, Bone pertence ao povo guajajara/tentehara. Filha de pais analfabetos, a ativista saiu de casa aos 15 anos para trabalhar e estudar. Ao longo das últimas décadas, formou-se em Letras e Enfermagem pela Universidade Estadual do Maranhão (Uema), concluiu uma pós-graduação em Educação Especial e recebeu diversos prêmios e honrarias pela sua trajetória profissional. Em 2003 tornou-se coordenadora da Coordenação das Organizações E Articulações Dos Povos Indígenas do Maranhão (Coapima) e, em 2009, foi eleita vice coordenadora da Coordenação das Organizações Indígenas da Amazônia Brasileira (Coiab). Desde 2013, quando assumiu o cargo de coordenadora executiva da Apib, o ativismo de Sônia ganhou projeção nacional e internacional. A liderança guajajara está na linha de frente contra uma série de projetos no Congresso Nacional que retiram direitos dos povos originários e, desde 2008, é uma das vozes que representa o Brasil no Conselho de Direitos Humanos da ONU. A ativista, que tem três filhos, também foi a primeira indígena a compor uma chapa presidencial, em 2018, ao lado de Guilherme Boulos.

Em 2019, Bone liderou a Jornada Sangue Indígena: Nenhuma Gota Mais, que levou denúncias sobre violações cometidas pelo atual governo a 12 países da Europa. Em 2021, ela sofreu uma tentativa de intimidação promovida pelo governo Bolsonaro. Na ocasião, por solicitação da Funai, a Polícia Federal a intimou a depor, acusando-a de difamar o governo pela websérie Maracá, a qual denuncia violações de direitos cometidas contra as populações indígenas no contexto da pandemia da Covid-19. O processo foi arquivado mesmo antes do depoimento, pois a PF, após assistir a websérie, concluiu que não havia crime.

Sônia Guajajara é hoje pré-candidata a deputada federal pelo PSOL em São Paulo, através do Chamado Pela Terra e da Campanha Indígena – iniciativas coletivas do movimento indígena brasileiro. “Pelo Chamado, estamos encorajando também outras mulheres indígenas a entrar nessa disputa em 2022. Precisamos eleger a ‘bancada do cocar’”, destacou a ativista.

“Ela é uma inspiração, não apenas para mim, mas para milhões de brasileiros que sonham com um país que debata seu passado e finalmente acolha o futuro”, concluiu Boulos na revista.

 

Obras literárias descrevem novas tendências do português falado em Moçambique

Em Moçambique, a língua portuguesa está cada vez mais enriquecida com palavras nativas ou expressões resultantes da diversidade regional e do cotidiano. À DW África, docente explica as novas tendências do idioma no país.
Mosambik | Maputo in Alarmbereitschaft wegen Covid-19Passageiros na paragem de Chapa 100

As novas tendências da Língua Portuguesa falada em Moçambique são agora descritas em dois volumes noLivro “Português Moçambicano”, lançados no dia no dia 5 de Maio.

O trabalho resultou de uma pesquisa de 15 autores, docentes do curso deste idioma na Universidade Pedagógica de Moçambique. Em entrevista à DW África, a docente universitária Hildizina Norberto Dias falou sobre as novas tendências do português de Moçambique.

DW África: Qual foi o ponto de partida para a criação destas obras sobre o português moçambicano? 

Hildizina Norberto Dias: Há muito que nós estamos a trabalhar sobre o português moçambicano. As nossas preocupações, como professores que formam outros professores de português, são notadas no dia a dia, [durante] as nossas aulas, ouvindo as pessoas. Elas falam que a Língua Portuguesa em Moçambique está a sofrer uma série de mudanças linguísticas. E, por causa disso, pensamos estudar esta “Língua Portuguesa” que está diferente, em vários aspetos.

DW África: O que é que se pretende com estas obras?

Buchcover Português de Moçambicambico Band 1Capa do livro “Português Moçambicano Volume 1, Editora: Alcance Editores”.

HD: A finalidade da obra é mostrar ao público e à comunidade linguística, aos professores e a todos os interessados na Língua Portuguesa que o português de Moçambique apresenta [uma] série de mudanças, em vários níveis de análise linguística. Na pronúncia, na fonética e na fonologia. Também a sintaxe, a morfologia e a lexiologia apresentam mudanças. Em Moçambique, temos palavras diferentes. A nossa maneira de falar também é diferente. Estou a falar da pronúncia, por exemplo, e da construção de frases. Trazemos estes exemplos nos artigos. Cada autor aborda um determinado nível, um assunto. Pretendemos mostrar que estamos a ter uma outra direção em relação à Língua Portuguesa.

DW África: Quais são os exemplos que ilustram as novas tendências do português Moçambicano?

HD: Posso falar do nível léxico. Acho que é aquele em que se verificam muitos empréstimos das línguas bantu. Se observarmos, a culinária moçambicana [tem] palavras como matapa, mucapata, tihove, xima. Nós já usamos assim, em qualquer registo e nível de língua. Se eu quero falar sobre a “matapa” eu digo “matapa” mesmo, pois não há nenhum equivalente de tradução para esta palavra. Outros exemplos são os nomes de peixes: usamos as palavras “xicoa” ou “pende”. Em português, chamaria “tilápia”. Mas é muito raro chamarmos ao peixe “pende” como se fosse “tilápia”. [Outra palavra], xitique: em qualquer região de Moçambique, quando nos referimos a essa contribuição que é feita entre amigos, colegas e familiares – e que é uma forma de poupança – dizemos mesmo “xitique”. E esta palavra está a ser usada em toda a nação.

Mosambik I Plaetze ohne Soziale Distanz in MaputoParagem de Machimbombos em Maputo

Nos transportes, por exemplo, nós usamos os nomes de “txopela”, “chapa”, “machimbombo”, e são palavras que nos identificam mais como moçambicanos. Sobre a sintaxe, a construção das frases, temos o uso dos pronomes ‘lhe” e “lho”. É mais usual ouvirmos os moçambicanos dizerem “eu vi-lhe”. Então, esta construção está a se fixar e a se consolidar na Língua Portuguesa usada em Moçambique. Outro exemplo: pipocas, em Portugal. A pipoca, nós sabemos que é o milho. Em Moçambique, também é milho como também é um chinelo muito leve.

DW África: Podemos considerar a existência de um português moçambicano padrão para toda a nação?

HD: Estamos a mostrar agora as pesquisas localizadas em determinadas regiões, de onde somos ou onde vivemos. Nós fazemos o levantamento das palavras que entraram [no vocabulário] e a análise destes empréstimos na construção frásica. Vamos ver o que é que está acontecendo em Maputo ou em Quelimane.

Buchcover Português de Moçambicambico Band 2Capa do livro “Português Moçambicano Volume 2”, Editora: Alcance Editores.

A nível da semântica, estamos a dar outros significados a determinadas palavras. [Nas palavras] do sistema de parentesco, por exemplo, eu posso usar a palavra mãe tanto para a minha biológica como para a minha madrasta, e também para uma senhora de uma certa idade. Aqui, em Maputo, é muito frequente usar “mãe”, tia, em vez de “senhora”. Mas nós ainda não estamos a trazer o português moçambicano falado em todo o país, não. Nós estamos a trazer estudos linguísticos localizados.

DW África: Há considerações finais?

HD: Os estudos sobre o português moçambicano não começam hoje, com os nossos livros. Estas obras são a sequência de muitos outros estudos que já foram feitos. Nós também estamos nesta linha, de compilar estes e outros estudos que estão a ser feitos, para mostrar que a Língua Portuguesa em Moçambique está a mudar.

VIA DW África

Pesquisadores criam guia de aves na língua Xavante em MT

Objetivo é proporcionar a sustentabilidade da comunidade indígena local

Pesquisadores do Projeto Aldeia Sustentável fizeram a catalogação de aves na Aldeia Belém, na TI Pimentel Barbosa em Canarana, a 838 km de Cuiabá, e criaram um guia de bolso dos animais na língua Xavante.

Pesquisadores criam guia de aves na língua Xavante em MT
No Brasil ocorrem cerca de 1.997 espécies de aves. (Foto: Dalci Oliveira)

 

Segundo os pesquisadores, o objetivo é proporcionar a sustentabilidade da comunidade indígena local.

Até o momento, já foram impressos três mil exemplares do guia que serão distribuídos nas Escolas Indígenas Xavante, para ampliar o conhecimento sobre o conjunto de aves na região, bem como contribuir para o campo educacional.

A gestora do projeto Aldeia Sustentável, Cleide Arruda, relata que no Brasil existem 1.997 espécies de aves, com isso, o país é considerado o segundo do mundo, com a mais diversificada avifauna, conjunto de aves.

Pesquisadores criam guia de aves na língua Xavante em MT
Já foram impressos três mil exemplares do guia. (Foto: Dalci Oliveira)

Além disso, lembra que o bioma Cerrado é o terceiro maior em riqueza de aves em território nacional, com 856 espécies.

Ela conta que até o momento já foram registradas para a área entorno da Aldeia Belém, 126 espécies de aves, isto representa 58% das aves já observadas em Canarana.

Pesquisadores criam guia de aves na língua Xavante em MT
Cerrado é o terceiro bioma em riqueza de aves. (Foto: Dalci Oliveira)

Via Redação PP

Professores de quatro povos indígenas lançam livros didáticos bilíngues

Os professores dos povos JamamadiApurinãJarawara e Paumari, no Amazonas, produziram quatro livros em português e nas suas respectivas línguas. Com o objetivo de contribuir para o aprendizado e para a compreensão das produções orais e escritas, eles foram transformados em material didático.

Além de educar e fortalecer as culturas indígenas, os livros denominados Saberes Indígenas na Escola trazem atividades relacionadas ao cotidiano dos alunos indígenas como a pesca, a caça e o desmatamento. Por serem bilíngues, contribuem para a preservação da língua materna, que é um fator primordial. Com o registro da escrita e da cultura, os mais jovens podem ter acesso e oportunidade de manter vivo esse saber, impedindo que a língua seja extinta.

Livros bilingues enriquecem a formação docente e mantêm viva a língua ameaçada. Foto: Marcelli Damasceno

O projeto contou com a parceria da Federação das Organizações e Comunidades Indígenas do Médio Purus (Focimp) e Instituto Mpumalanga com o Instituto Federal do Amazonas (Ifam), Conselho Indigenista Missionário (Cimi), Secretaria Municipal de Educação e Cultura de Lábrea (Semec) e o Programa Sou Bilíngue Intercultural (PSBI) da Funai.

Daniel Lima, missionário do Cimi, afirmou que os livros são uma forma de resistência ao plano político que “tem como objetivo principal a desconstitucionalização e a deslegitimação dos direitos dos povos indígenas”, visto que a educação brasileira e os povos indígenas são atacados sistematicamente pelo governo atual.

“Lançar essas obras nas línguas Apurinã, Jamamadi, Jarawara e Paumari, nesse contexto tão sombrio e tão desesperançoso, é um sinal de resistência diante de tantos ataques aos povos indígenas, às suas culturas, às suas línguas e à educação indígena que constitucionalmente lhes é garantido o direito de que ela seja diferenciada”, destacou Lima.

VIA Notaterapia

IPOL Pesquisa

Receba o Boletim

Facebook

Revista Platô

Visite nossos blogs

Clique na imagem

Clique na imagem

Visitantes

Arquivo