Libras

Startup brasileira lança técnica que traduz línguas de sinais para voz

Hand Talk, startup de Maceió que criou um sistema de inteligência artificial (IA) que transforma automaticamente linguagem de texto ou de áudio em Libras, agora quer fazer o caminho inverso. Anunciou nesta quinta-feira (12) sua tecnologia assistiva que usa IA como sensor de movimentos, convertendo os gestos da língua de sinais para áudio.

A novidade levou mais de dois anos de pesquisa para ver a luz do dia, segundo um comunicado da companhia. A tecnologia Motion, própria da Hand Talk, realiza o reconhecimento de sinais e frases mais longas com qualidade e precisão, também nas palavras da empresa. No futuro, a ideia é que o recurso entenda e traduza diferentes contextos e regionalismos.

A iniciativa não é inédita; em 2019, o queniano Roy Allela inventou luvas que fazem essa conversão de sinais para áudio. Também no Brasil, o estudante Luciano dos Anjos Oliveira, da Escola Técnica Estadual (Etec) Lauro Gomes, de São Bernardo do Campo (SP), inventou um programa similar. Só o uso dirá o quanto a ferramenta nova da Hand Talk é melhor ou mais acessível que estas.

Hand Talk Community (Imagem: Reprodução/Hand Talk)

A empresa também lançou o Hand Talk Community, uma plataforma colaborativa que abastece a inteligência artificial da startup. Agora, voluntários fluentes em línguas de sinais do mundo todo poderão contribuir com ela para que a solução chegue a outros idiomas.

Para quem não conhece, o app do Hand Talk (Android | iOS) faz as traduções de texto e voz para a linguagem de sinais usando os personagens Hugo ou Maya. O lançamento da tecnologia Motion em breve estará disponível nos programas da empresa usados pelo público. As inscrições para a rede de voluntários do Community já estão abertas.

Edital em Libras do Enem já está disponível

Sabia que o edital do Enem 2021 já está disponível? Mas, eu não estou falando daquele edital impresso que você certamente imaginou. Estou falando do edital em Libras, a língua brasileira de sinais. Ele faz parte da política de acessibilidade e inclusão do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas, o INEP, que visa ampliar as oportunidades de participação da sociedade nos exames.

Joaquim Emanuel Barbosa é surdo implantado, ou seja, ele recebeu um dispositivo médico eletrônico que possibilita ouvir. Assim ele é bilíngue, pois pode se comunicar oralmente ou por meio da língua brasileira de sinais. Para ele, o edital nesse formato vai permitir a compreensão das pessoas surdas que aprenderam muito mais a Libras que o Português escrito. “Trazer acessibilidade para as informações chegarem a todo o público eu acho extremamente importante, até mesmo para os pais, vamos dizer que o pai não seja ouvinte e não é fluente na língua portuguesa a modalidade escrita, ele vê o edital em Libras, ele consegue entender tudo o que ele precisa para acompanhar o filho dele”, diz.

As inscrições para o Enem 2021 vão de 30 de junho à 14 de julho e os participantes que solicitarem atendimento especializado e tiverem o pedido aprovado poderão usar materiais próprios durante as provas. Também estarão disponíveis a prova ampliada, a super ampliada e a por contraste. As provas serão aplicadas nos dias 21 de 28 de novembro, tanto a versão digital quanto a versão impressa. E o edital em Libras pode ser visto no canal do Inep no Youtube.

 

Fonte Agência Brasil

Por Tony Ribeiro* – Brasília

*Com supervisão de Sâmia Mendes

Edição: Sâmia Mendes/Edgard Matsuki

ALFABETO EM LIBRAS É TEMA DE EMISSÃO ESPECIAL DOS CORREIOS

Nessa quinta-feira (10), Dia Nacional da Inclusão Social, os Correios lançaram a Emissão Especial Alfabeto Manual da Língua Brasileira de Sinais (Libras). Para marcar o lançamento virtual das peças filatélicas, a empresa produziu um vídeo em parceria com o Instituto Nacional de Educação de Surdos (INES) e a Universidade Federal do Paraná (UFPR) – entidade que possui curso de licenciatura em Letras Libras. O conteúdo pode ser conferido no canal oficial dos Correios no Youtube.

Além de sensibilizar todos os públicos sobre a importância da segunda língua oficial do Brasil, a emissão também celebra a institucionalização educacional à comunidade de surdos no país, iniciada no século XIX. Em 1855, o educador francês surdo Edouard Huet foi convidado por D. Pedro II a mudar-se para o Brasil e dar continuidade ao seu trabalho, educando pessoas surdas. Dois anos depois, em 26 de setembro de 1857, era fundada a primeira escola para surdos do Brasil e, com ela, nascia a Língua Brasileira de Sinais.

O Alfabeto em Libras permite a interpretação das palavras em línguas orais para as línguas de sinais. Ao soletrar manualmente a grafia das palavras, cada letra corresponde a um formato assumido pela mão. O idioma é uma importante ferramenta de emancipação das pessoas surdas. Ao conhecer e aprender a língua, os demais cidadãos têm a oportunidade de transpor as barreiras de comunicação e colaborar para uma sociedade verdadeiramente nacional e inclusiva.

O lançamento do selo vem celebrar as vitórias conquistadas pelas pessoas surdas no Brasil e no mundo e manifestar o apoio dos Correios aos surdos brasileiros, um reconhecimento da importância da difusão da Língua Brasileira de Sinais e dos seus valores políticos e sociais.

Selo – A arte da folha é composta pelas 26 letras do alfabeto em Libras, representadas através de imagens pictóricas de fácil reconhecimento e linguagem contemporânea. Para enriquecer ainda mais essa emissão, outras quatro palavras e expressões importantes foram acrescidas ao conjunto, fechando assim a folha de 30 selos: Brasil, Brincar, Eu te Amo e Acessível em Libras.

A arte, de Fábio Lopes, foi produzida com tinta especial em um tom de laranja vibrante, tinta UV e calcografia, que conferem destaque e importância para essa iniciativa inédita dos Correios.

A tiragem é de 1 milhão de selos, com valor facial de R$ 2,05. As peças estarão disponíveis nas principais agências de todo o país e também na loja virtual dos Correios.

 

Maranhão abriga primeira escola pública bilíngue do Brasil

escola pública bilíngue maranhão 2Apesar do inglês ser uma das línguas mais faladas no mundo, o ensino público no Brasil não possui uma política bem definida para o ensino do idioma. Enquanto escolas bilíngues particulares se espalham pelo país, elas costumam ser caras e de difícil acesso. Foi por isto que o governo do estado do Maranhão decidiu inovar, implementando a primeira escola pública bilíngue do Brasil.  Continue lendo

Fim da TV Escola coloca em risco 10 milhões de surdos brasileiros

Funcionários da TV escola saindo do MEC

O Brasil nunca teve a cultura de TVs públicas. Além da Cultura, é difícil que os meios de comunicação estatais sejam vistos pela população de maneira massiva. Entretanto, isso não significa que as programações exibidas nesses meios não tenham valor: pelo contrário, existe muita coisa importante por trás da “audiência”. Continue lendo

CCJ recomenda ao governo estudar a oferta de Libras na educação básica

Caroline de Toni disse que a proposta do Senado contraria a LDB. Foto: Pablo Valadares/Câmara dos Deputados

A Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania da Câmara dos Deputados aprovou uma indicação ao governo para que promova estudos com vistas à regulamentação das condições de oferta do ensino da Língua Brasileira de Sinais (Libras) na educação básica.

Indicações são sugestões feitas pelos deputados ao Poder Executivo, que não é obrigado a cumpri-las. A indicação foi elaborada pela deputada Caroline de Toni (PSL-SC) e tem origem em uma proposta relatada por ela.

Continue lendo

IPOL Pesquisa

Receba o Boletim

Facebook

Revista Platô

Visite nossos blogs

Clique na imagem

Clique na imagem

Visitantes

Arquivo