INDL

Carta do I Encontro Regional do Inventário do Hunsrückisch e II Encontro de Falantes do Hunsrückisch

Carta do I Encontro Regional do Inventário do Hunsrückisch e II Encontro de Falantes do Hunsrückisch

 

O Brasil, país bilíngue desde 2005 (português/Língua Brasileira de Sinais – LIBRAS), é muito rico em diversidade linguística. Apesar de uma história orientada para o monolinguismo que oficializou e aparelhou somente a língua portuguesa como língua de ensino e oficial, o censo demográfico realizado em 2010 pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) aponta a existência de cerca de 274 línguas indígenas no país, inclusive línguas indígenas de sinais, como a dos Ka´apor. Pesquisas indicam, ainda, aproximadamente 56 línguas faladas por descendentes de imigrantes, há pelo menos três gerações, em vários municípios brasileiros, como é o caso do talian, pomerano, hunsrückisch, polonês, russo, entre outras. Igualmente há as línguas afro-brasileiras e as que se intercalam, como é o caso dos crioulos Galibi Marworno, Karipuna do Norte e Palikur, falados na região do Oipoque, na fronteira do Brasil com a Guiana Francesa, e do Portunhol, na fronteira com países hispano falantes.

Continue lendo

I Encontro Regional do Inventário do Hunsrückisch e II Encontro de Falantes do Hunsrückisch

Nos dias 24 e 25 de agosto de 2018, aconteceram em Florianópolis  o I Encontro Regional do Inventário do Hunsrückisch e o II Encontro de Falantes do Hunsrückisch em que foram apresentados e discutidos aspectos da execução e alguns resultados do Inventário do Hunsrückisch como Língua Brasileira de Imigração (IHLBrI). Este trabalho vem sendo realizado desde 2016 em vários Municípios de Santa Catarina, Rio Grande do Sul e Espírito Santo, impulsionado por uma parceria formal entre o IPOL Instituto de Investigação e Desenvolvimento em Política Linguística e o Projeto ALMA, da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) com apoio do IPHAN.  Orientado para ações de sensibilização, documentação e promoção da língua, o IHLBrI contou com a participação de pesquisadores, colaboradores, gestores, lideranças comunitárias e falantes  em todo o processo, muitos dos quais estiveram participando do evento. Foram dois dias de rico diálogo, oficina sobre escrita,  lançamento do livro de Poesias e Contos em Hunsrückisch e do documentário Receitas da Memória. Além disso, os participantes compuseram uma Carta visando a contribuir para a promoção dessa língua e de todas as línguas brasileira. Continue lendo

Programação do Encontro do Inventário e de Falantes de Hunsrückisch.

Com o objetivo de reunir falantes de línguas alemã (Hunsrückisch / Deitsch) e mostrar os resultados obtidos com as pesquisas realizadas através do Inventário do Hunsrückisch como língua brasileira de imigração (IHLBrI), contemplando atividades como conversa sobre políticas linguísticas, amostra de filmes e documentários, atividades culturais em Hunsrückisch, a equipe do Inventário promove no próximo dia 24 o  I Encontro Regional do Inventário do Hunsrückisch e II Encontro de Falantes de Hunsrückisch.

Abaixo, você confere a programação e se organiza para participar também. Continue lendo

Encontro do Inventário e de Falantes do Hunsruckisch com lançamento de documentário

O Projeto Inventário do Hunsrückisch como Língua Brasileira de Imigração (IHLBrI) é uma parceria entre o IPOL (Instituto de Investigação e Desenvolvimento em Política Linguística – http://e-ipol.org/) e a Universidade Federal do Rio Grande do Sul e Projeto ALMA-H (UFRGS/ALMA) (https://www.ufrgs.br/projalma/ihlbri-inventario-do-hunsruckisch/). O projeto conta com o apoio do IPHAN (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional), Ministério da Cultura e seu objetivo é conhecer a situação da língua no Brasil e reconhece-la como Referência Cultural Brasileira.

Entre as ações previstas no Projeto, está a realização de Encontros Regionais do Inventário do Hunsrückisch juntamente com Encontros de Falantes de Hunsrückisch, sendo um em Santa Catarina e um no Rio Grande do Sul. Continue lendo

A bondade linguística e o cadáver adiado

O colóquio não era sobre ortografia, era sobre Unidade e Diversidade da Língua Portuguesa, mas como falar de diversidade sem pôr em causa a falsa “unidade” que a ameaça?

Continue lendo

SEJEL/AM prestigia Jogos Indígenas do Alto Solimões, em Benjamin Constant

O secretário da Sejel, Manoel Almeida, esteve presente da abertura dos jogos e disse que o esporte ajuda a diminuir a violência nas comunidades

Cerca mil pessoas participaram da abertura da 2ª Copa Indígena do Alto Solimões, em Benjamin Constant, município distante 1.100 quilômetros de Manaus. O evento, que conta com o apoio do Governo do Amazonas, e está sendo realizado na comunidade Filadélfia, área indígena da cidade de Benjamin Constant, e foi inteiramente traduzido para a língua materna dos Tikunas.

Participaram da cerimônia o secretário de Estado de Juventude, Esporte e Lazer (Sejel), Manoel Almeida; o diretor de Política Intersetorial do Ministério do Esporte, Rafael Azevedo; a gerente de Política de Esporte para a população indígena do Ministério do Esporte, Débora Nascimento; o prefeito de Benjamin Constant, David Nunes; o vice- prefeito de Tabatinga, Plínio Cruz; lideranças indígenas; parlamentares da região; representantes das Forças Armadas; e da Universidade Federal do Amazonas (Ufam). Continue lendo

IPOL Pesquisa

Receba o Boletim

Facebook

Revista Platô

Visite nossos blogs

Clique na imagem

Clique na imagem

Visitantes

Arquivo