Covid-19

Mortes de indígenas idosos por Covid-19 colocam em risco línguas e festas tradicionais que não podem ser resgatadas

Por Carolina Dantas, G1

Aripã e Katica em terra indígena Karipuna, em Rondônia, em 2019 — Foto: Fabio Tito/G1

Aripã e Katica em terra indígena Karipuna, em Rondônia, em 2019 — Foto: Fabio Tito/G1

Covid-19 mata mais os idosos e são eles a fonte histórica dos indígenas brasileiros. Os antigos Guajajara, no Maranhão, cantam os rituais. Na aldeia dos karipuna, em Rondônia, Katica e Aripã têm as tatuagens tradicionais e mantêm a língua tupi-kawahib. Os anciãos, que ensinam os mais jovens, correm risco de morrer ou já foram perdidos para a doença.

Não há um balanço oficial de mortes indígenas por Covid-19 por idade. Sabe-se que são 187 mortes até esta quinta-feira (9), de acordo com a Secretaria de Saúde Indígena (Sesai) do Ministério da Saúde. Ou, como diz o levantamento da Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (Apib), 453 mortos. Não há consenso também sobre o número geral de vítimas da doença.

Cada caso é divulgado, então, por quem vive perto das aldeias. Aloisio Cabalzar, antropólogo do Instituto Socioambiental (ISA) no Rio Negro, diz que a tradição das sociedades indígenas é basicamente oral. Em geral, são as pessoas mais velhas que passam o conhecimento para as mais jovens.

“Os idosos são o principal grupo de risco. É o que está acontecendo: estamos perdendo o conhecimento” – Aloisio Cabalzar, antropólogo

São mais de 300 povos no Brasil e 200 línguas.

Feliciano Lana, ilustrador da cultura indígena, morre de Covid-19 — Foto: Cortesia/Instituto Socioambiental

Feliciano Lana, ilustrador da cultura indígena, morre de Covid-19 — Foto: Cortesia/Instituto Socioambiental

Na região do Rio Negro, o ilustrador Feliciano Lana, de 82 anos, desenhou por mais de 30 anos o que assistia na Amazônia. Era “calmo e generoso”, como descreveu Cabalzar.

“Produziu uma obra sensível, expressiva da cosmologia dos povos Tukano e quase onipresente nos trabalhos de antropólogos, historiadores e artistas que tratam do Rio Negro. Seus trabalhos estão em instituições diversas como o Museu de Arte de Belém, o Museu da Amazônia e o Museu Britânico, com o qual estava colaborando recentemente”.

Obra de Feliciano Lana — Foto: Cortesia/Instituto Socioambiental

Obra de Feliciano Lana — Foto: Cortesia/Instituto Socioambiental

Feliz, como era conhecido Lana, morreu em maio de Covid-19. Pouco mais de um mês depois, o Rio Negro também perdeu Poani Higino Pimentel Tenório. Ele pegou a doença em São Gabriel da Cachoeira, chegou a ser tratado, e foi transferido para Manaus. O governo do Amazonas informou que ele foi internado na UTI em uma ala indígena, mas que apresentou um quadro agravado por insuficiência respiratória aguda.

Cabalzar diz: “Tenório foi o principal líder do povo Tuyuka e por 20 anos foi educador da língua original aos mais novos”. Ele tinha muitas profissões: construtor de canoa, artesão, químico, professor, tradutor trilíngue e intercultural, gestor de organização indígena, pesquisador, especializado em petróglifos, escritor, produtor cultural.

Higino, em fotografia de Aloisio Cabalzar, em sua comunidade Tuyuka em 2008 — Foto: Cortesia/Instituto Socioambiental

Higino, em fotografia de Aloisio Cabalzar, em sua comunidade Tuyuka em 2008 — Foto: Cortesia/Instituto Socioambiental

“Ele buscou os filhos indígenas em outras escolas, ensinou a língua tuyuka. Garantiu muito material escrito, vários trabalhos publicados. Ele foi a principal liderança do processo de retomada da língua tuyuka”, disse o antropólogo.

No Maranhão, Sônia Guajajara, líder indígena e coordenadora da Apib, vê um processo parecido. Os idosos morrem e levam o que sabem, diz ela. A doença já chegou em territórios próximos a povos isolados: Parque Nacional Montanhas do Tumucumaque, no Amapá; terra indígena Momoadate, no Acre; Vale do Javari, no Amazonas.

Mortes de indígenas por Covid-19 no Brasil — Foto: Arte/G1

Mortes de indígenas por Covid-19 no Brasil — Foto: Arte/G1

Continue lendo

Palavras de Cuidado em Pomerano: Entenda o Coronavírus

Seminario Web: Los Jóvenes Indígenas en el Frente Ante la Crisis de la COVID-19

VIERNES 12 DE JUNIO DE 2020, 11:00 AM – 12:30 AM HORA DE VERANO DEL PACÍFICO

(Encuentre su zona horaria AQUÍ)

 

En este seminario web se harán presentaciones sobre los efectos de la pandemia mundial de la COVID-19 en los jóvenes indígenas.  Los jóvenes ponentes indígenas también compartirán ejemplos de su participación activa en las actividades de socorro y en las soluciones a largo plazo para sus familias, comunidades y pueblos.

 

PANELISTAS:

  • Introducción: Chris Honahnie, Hopi/Diné, Asistente Administrativo y de Programas del CITI, Tucson Arizona
  • Video corto: Voces de la Juventud Indígena sobre la pandemia de la COVID-19
  • Francisco Cali Tzay, Relator Especial de las Naciones Unidas sobre los Derechos de los Pueblos Indígenas, Maya Kaqchikel, Guatemala: palabras de apertura y convocatoria de información
  • Jessica Vega Ortega, Mixteco, Copresidenta del Cónclave Mundial de Jóvenes Indígenas, Coordinadora de la Red de Jóvenes Indígenas de América Latina y el Caribe, México
  • Carson Kiburo, Endoris, Copresidente del Cónclave Mundial de Jóvenes Indígenas, Kenia, África
  • Enildalia Betty Martínez Gil, Movimiento de la Juventud Kuna, Panamá
  • Jaiden Willeto, Diné, Equipo de Labores de Auxilio por la COVID-19 para las Familias Navajo y Hopi, Nuevo México
  • Víctor López-Carmen, Dakota/Yaqui, Copresidente del Grupo Global de Jóvenes Indígenas, estudiante de la Facultad de Medicina de Harvard

Moderador, Roberto Borrero, Confederación Unida del Pueblo Taíno

Haga clic en https://www.iitc.org/online-trainings-webinars/ para descargar los folletos sobre este seminario

 

Para inscribirse vía Zoom, haga clic en: https://us02web.zoom.us/webinar/register/WN_AJqC5y6rTTGX8hTMWLi6ew

 

Se proporcionará interpretación inglés/español.  Haga clic en para obtener información sobre cómo utilizar la función de interpretación en Zoom.   

Para obtener más información de contacto comuníquese con:  communications@treatycouncil.org

Coronavirus: médicos podrán comunicarse con pacientes en siete lenguas originarias

Ministerio de Cultura (Peru) afina lanzamiento de la Central de Interpretación y Traducción que creará “puente comunicativo” entre galenos del Ministerio de Salud y pacientes de 37 grupos lingüísticos.

28/5/2020

José Vadillo Vila

En 15 días, aproximadamente, empezará a funcionar la Central de Interpretación y Traducción (CIT), un servicio de interpretación telefónica que permitirá a los médicos comunicarse con sus pacientes hablantes de lenguas originarias, por medio de un intérprete de planta del Ministerio de Cultura.
La CIT es un servicio pionero que el Mincul implementará durante la actual emergencia sanitaria por el covid-19.
¿Cómo funcionará? 
El médico llamará a la CIT y solicitará, por ejemplo, a un intérprete awajún para comunicarse con un paciente que necesita ser puesto en una máquina de respiración artificial. El intérprete anotará el pedido y el médico pasará el teléfono al paciente para que el especialista del Mincul le explique sobre la decisión del galeno y el procedimiento por tomar. Si el paciente awajún tiene alguna duda, la hará llegar al médico por medio del intérprete.
Gerardo García Chinchay, director de la Dirección de Lenguas Indígenas del Mincul, adelantó que el servicio empezará a trabajar “en pocos días” como parte del actual estado de emergencia.

Continue lendo

Nota de pesar – Instituto Insikiran de Formação Superior Indígena da UFRR

Nota de pesar

O Instituto Insikiran de Formação Superior Indígena da UFRR vem a público informar com pesar o falecimento da acadêmica Bernita Miguel do Curso de Licenciatura Intercultural, hoje (21/05), por Covid-19. A estudante atuava como professora de Língua Macuxi, na Escola Estadual Indígena Artur Pinto, comunidade Nova Esperança/Alto São Marcos/T.I. São Marcos, município de Pacaraima/RR. A comunidade acadêmica do Insikiran se solidariza e expressa suas sinceras condolências aos familiares e amigos.

Articulação dos Povos Indígenas do Brasil organiza comitê para registrar avanço da Covid-19 sobre povos indígenas

#Vidas indígenas e Covid-19

Acompanhe:
http://apib.info/alertas-apib/

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

IPOL Pesquisa

Receba o Boletim

Facebook

Revista Platô

Visite nossos blogs

Clique na imagem

Clique na imagem

Visitantes

Arquivo