pluricentrismo

Chamada aberta: “Pluricentrismo linguístico do português”

Chamada aberta — Edição especial

“Pluricentrismo linguístico do português: perspectivas para o ensino e a formação de professore(a)s”

Observatório de Português Língua Estrangeira / Segunda Língua (ObsPLE-PL2, UFBA/CNPQ)

Editores: Edleise Mendes (UFBA), Eduardo Lopes Piris (UESC), Jocenilson Ribeiro (UFS), Sílvia Melo-Pfeifer (Universidade de Hamburgo-UH)

1. Apresentação

As línguas pluricêntricas caracterizam-se por apresentar mais de um centro de referência, representando variadas normas linguísticas, nem sempre coincidentes do ponto de vista de seus usos. As normas variam internamente e, também, externamente, como é o caso de normas que diferem entre países ou regiões. De acordo com os principais teóricos que fundamentam os estudos sobre o tema (Michael Clyne; 1992; Rudolf Muhr, 2012), o pluricentrismo linguístico apresenta dois aspectos fundamentais: as relações entre linguagem e identidade e linguagem e poder. Esta última, sobretudo, tem demonstrado ser central para a compreensão das relações entre diferentes normas de uma língua pluricêntrica como o português.

As relações entre as variedades nacionais do português, por exemplo, têm sido de assimetria e de isolamento, pois assentam na competição entre as normas dominantes ou centrais, as normas brasileira e portuguesa, e o isolamento (ou mesmo apagamento simbólico) das outras variedades não-dominantes ou periféricas, dos demais países de língua oficial portuguesa, como os Países Africanos de Língua Portuguesa – PALOP e Timor-Leste. Desse modo, o conceito de pluricentrismo linguístico e suas implicações para o ensino e a formação de professore(a)s deve assumir-se como central para que possamos, a partir do posicionamento geopolítico do português hoje, pensar em perspectivas menos excludentes de gestão e de ensino da língua, que questionem a centralidade de duas normas em estado de competição, a portuguesa e a brasileira, para incluir e fortalecer as normas em desenvolvimento nos outros espaços da lusofonia (MENDES, 2016).

No debate recente sobre o tema, ainda são predominantes os estudos que estabelecem como foco a comparação entre sistemas de normas, numa perspectiva estritamente linguística, sem que sejam problematizados os aspectos sociais, políticos e culturais que impactam, diretamente, a promoção, a difusão e a projeção do português, especialmente nos campos do ensino e da formação de professore(a)s.

Desse modo, este Dossiê busca promover novas reflexões e debates sobre o pluricentrismo linguístico do português, com especial atenção para as diferentes dimensões éticas, políticas, teóricas e metodológicas que orientam o ensino e a formação de professore(a)s, em diferentes contextos de atuação no mundo.

A publicação, bem como seus/suas editores(as), integram o Observatório de Português Língua Estrangeira / Segunda Língua (ObsPLE-PL2), rede de pesquisadores(as) da área PLE/PL2, vinculados a universidades do Brasil e do exterior, em quatro continentes, interessados em estudos voltados para a língua portuguesa e sua grande diversidade linguística e cultural, em diferentes espaços do mundo.

2. Eixos temáticos

  • Políticas linguísticas em contexto do pluricentrismo do português
  • Língua, cultura, identidade e ensino pluricêntrico do português
  • Políticas de currículo para o ensino de Português Língua Pluricêntrica (PLP)
  • Perspectivas plurilingues, interculturais e críticas no ensino de PLP na formação de professore(a)s
  • Pluricentrismo linguístico e intercompreensão
  • Descolonização/decolonização do ensino da língua portuguesa na formação de professore(a)s
  • Abordagens e práticas de sala de aula de ensino de português numa perspectiva pluricêntrica
  • Contextos de ensino de português e pluricentrismo linguístico: PLE, PL2, PLA, PLH, PLAc.
  • Desenvolvimento de materiais e recursos para o ensino de PLP
  • Pluricentrismo linguístico e ensino on-line do PLP
  • Formação inicial e continuada de professore(a)s de PLP
  • Atitudes e crenças de professore(a)s e aluno(a)s sobre o pluricentrismo do português e o seu ensino

Submissões até: 30 março 2022

Informações para submissão:
https://periodicos.ufba.br/index.php/estudos/announcement/view/590

Seminário online: A língua portuguesa e seu léxico

Argentinos discutem a gestão do espanhol: pluricentrismo ou domínio monocêntrico da língua?

foro-ubaPor Fernando Alfón

El pasado jueves 7 de julio, en la jornada de cierre del Foro Universitario por el Bicentenario y bajo el lema “Lengua y emancipación”, se conformó una mesa con las doctoras en lingüística Cristina Messineo y Mara Glozman, el ensayista Américo Cristófalo, el presidente de la Academia Argentina de Letras, José Luis Moure, y yo. Por esa deslucida cortesía que declina en comodidad, fuimos delegando el honor de cerrar la mesa, cayendo el privilegio en Moure. El hecho de que era el mayor o el de ostentar un título de presidente parecía justificarlo. A considerar por lo que dijo, aprovechó muy bien las ventajas de tener la última palabra: tranquilizó al público asegurándole que, si bien había una mala doctrina –la que esgrimimos quienes lo precedimos en la oratoria–, también había una manera cristiana de encarar el asunto. La mesa comenzó entrando ya el mediodía y con la promesa de un locro al terminar, por lo que las exposiciones fueron breves, y, como casi no hubo tiempo para réplicas, recurro a esta nota a modo de contestación intempestiva o botella que se arroja al mar.

Continue lendo

IPOL Pesquisa

Receba o Boletim

Facebook

Revista Platô

Visite nossos blogs

Clique na imagem

Clique na imagem

Visitantes

Arquivo