ENTREVISTA: Índios do Brasil querem apoio de Portugal à produção de cinema indígena

Representantes dos povos indígenas do Brasil, que estão em Lisboa para participar numa mostra de cinema, pretendem conseguir apoios de Portugal para a sua produção cinematográfica, disse à Lusa o índio e cineasta brasileiro José Lima.

“Como têm aqui a mostra, o objetivo é conseguir apoios e alianças para a produção de mais documentários e mais filmes. Nós temos vários realizadores indígenas, que estão aqui nesta mostra, e é preciso para continuar a produção de arte”, afirmou em entrevista à Lusa, em Lisboa, o também cineasta e político, que foi secretário para os Assuntos Indígenas do governo do estado brasileiro do Acre entre 2010 e 2018.

Zézinho Yube, como prefere ser chamado, porque foi este o nome que o pai lhe deu – “Yube é o nome que meu pai me deu na nossa língua e que é o nome do meu avô” – no seu povo, Huni Kuin, o maior dos 16 povos do estado do Acre, com 10.000 elementos, recorda que a luta dos povos indígenas “nunca foi fácil”, para defender de seguida que os índios têm de adaptá-la agora à nova realidade.

“Temos de aperfeiçoar a luta, de acordo com a nova realidade e com a nova tecnologia”, afirmou, referindo que esta “é uma nova estratégia das lideranças”. E o cinema é, neste novo contexto, um bom meio de promoção da causa dos índios, considerou.

Perante “a ameaça” para os índios das políticas defendidas pelo novo Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, José Lima defendeu que é preciso procurar alianças e parcerias fora do país, tal como os índios brasileiros fizeram nas décadas de 70 e 80. Até porque a floresta da Amazónia, que os povos indígenas procuram preservar “não é só dos povos indígenas. A Amazónia, é vida, é o pulmão do mundo”.

Já no Brasil, disse, contam com o apoio de várias entidades para esta nova fase da sua luta, que politicamente tem representatividade no Congresso brasileiro apenas por um deputado.

Zézinho Yube desvalorizou o facto de os povos indígenas terem apenas um deputado eleito no Congresso, e parte para o que há a fazer perante o cenário atual.

“Tem pessoas de bom coração no Brasil, como ONG e outras instituições, entre elas as igrejas, e nós contamos com essa boa vontade, essa solidariedade que nos ajude nessa luta”, afirmou.

Zézinho apresentou-se na quinta-feira na mostra de cinema e ciclo de debates Ameríndia, em Lisboa, com 30 filmes e documentários sobre os índios, a decorrer na Gulbenkian até domingo, vestido com um traje tradicional do seu povo, para o qual a jiboia é o animal sagrado.

Questionado sobre se a pressão e possíveis aliciamentos de grandes empresas às tribos indígenas, para que estas cedam às explorações de minério no Acre não podem por um fim à resistência indígena, Zézinho admitiu que esta “é uma ameaça real”, mas disse acreditar que os povos indígenas não vão deixar de lutar, numa “luta até ao último índio”.

“Nós resistimos com massacres e tudo e não é agora que a gente vai se desesperar”, referiu.

Porém, lamentou que se possam perder algumas das coisas que foram conquistadas nas últimas décadas pelos índios no Brasil em geral, e no estado do Acre em particular.

“Estive no poder dois mandatos do governador Jorge Viana, de 2010 a 2018 e (…) foram os anos de inclusão e de levar as políticas públicas aos povos indígenas e povos que viviam isoladamente”, defendeu.

Entre os aspetos importantes das mudanças da altura, Zezinho destacou “a questão cultural”. “Os povos indígenas já não se identificavam por preconceito, por medo e pela discriminação. A partir daquele momento os povos indígenas voltaram a ter orgulho novamente de serem indígenas. Hoje acontecem festivais na maioria das terras indígenas”, acrescentou.

Os povos indígenas têm uma história de massacre e escravidão e até 2000 não tinham a liberdade de manifestação cultural, sublinhou. Por isso, o povo “tinha vergonha de ser indígena e hoje tem orgulho”, afirmou.

Mas não foi só isso que mudou nas últimas décadas, disse Zezinho Yube, “também nas políticas públicas, a questão da educação, do turismo nas comunidades, a questão do fortalecimento da posição dentro das terras indígenas e apoio às culturas indígenas”.

Na opinião de Zezinho, nestas ultimas décadas, o estado do Acre funcionou como “um exemplo” de que “se pode trabalhar com os povos indígenas”.

Um aspeto importante, “porque muitos estados da Amazónia veem os povos indígenas como inimigo e atrapalho do desenvolvimento do estado. O estado do Acre fez o contrário, trouxe o povo para trabalhar junto e obteve financiamentos externos por causa disso, porque estava preservando, ao ajudar os índios, a questão ambiental”, considerou.

Hoje, alertou, “a questão ambiental é um tema importante para o mundo, na questão das mudanças climáticas”, ao contrário do que defende a política da extrema-direita, que visa “apenas o agronegócio”.

“Mas até enquanto a gente puder não vamos permitir que isso aconteça”, concluiu.

Fonte: DN

Deixe uma resposta

IPOL Pesquisa
Receba o Boletim
Facebook
Revista Platô

Visite nossos blogs
Clique na imagem
Clique na imagem
Visitantes
Arquivo