Afonso Claudio

Grupo de Estudos da Diversidade Linguística no Espírito Santo apresenta trabalho na Câmara de Marechal Floriano

Grupo-de-Estudos-da-Diversidade-Linguistica-no-Espirito-Santo-apresenta-trabalho-na-Camara-de-Marechal-Floriano

Texto e fotos: Cícero Modolo

Membros do Grupo de Estudos da Diversidade Linguística no Espírito Santo (GEDILES) se reuniram, na última quarta-feira (09), com o presidente da Câmara de Marechal Floriano, o vereador Cezinha Ronchi, com o objetivo de apresentar o trabalho de “Identificação e Mapeamento dos Falantes de Línguas de Imigração no ES”. A ação aconteceu na sala de reuniões da Câmara Municipal, e também contou com a presenta da secretária municipal de Educação, Édia Klippel e da representante da Secretaria Municipal de Saúde, Maria Angélica Signorelli Lavagnoli Rossini.

O encontro teve o objetivo de apresentação do projeto, que pretende identificar e localizar essas línguas, além de verificar qual é o nível de conhecimento da língua por parte de seus falantes. O estudo abrange os municípios capixabas colonizados por imigrantes e tem a duração prevista de 24 meses. Esta pesquisa se faz necessária em virtude do desconhecimento atual de quantas são e onde estão sendo faladas essas línguas no Estado.

Também participaram da reunião de apresentação do projeto de pesquisa, a coordenadora do Instituto Federal do Espírito Santo, a professora Edenize Ponzo Peres; o vice-coordenador do GEDILE, o professor Santinho Ferreira de Souza e os membros da equipe local de Marechal Floriano, formada pelo professor Allan Costa Stein, a professora Reni Klippel Machado e o bolsista de iniciação científica William Lima de Moura. Na oportunidade foi criado um grupo de trabalho. Durante o encontro ficou definido:

1 – A Secretaria de Educação fica responsável por divulgar a pesquisa para os alunos da rede pública municipal (e seus pais ou responsáveis), de modo a orientá-los sobre a importância de conhecerem a diversidade linguística e cultural do município e, também, de modo a conscientizá-los sobre a necessidade de responderem corretamente ao questionário que será aplicado pelos agentes de saúde;

2 – A Secretaria de Saúde autoriza que os agentes de saúde apliquem o questionário simplificado nas famílias onde haja falante(s) de língua(s) de imigração, durante as visitas de rotina. Também fica acertado que os agentes de saúde participarão de treinamento para aplicação dos questionários, em data a ser combinada;

3 – A Câmara Municipal fica responsável por divulgar a pesquisa em seu site e nas redes sociais. Além disso, viabilizará a impressão dos questionários, termos de consentimento e outros materiais necessários;

Continue lendo

IPOL Pesquisa

Receba o Boletim

Facebook

Revista Platô

Visite nossos blogs

Clique na imagem

Clique na imagem

Visitantes

Arquivo